Yao Ming, o mais famoso ídolo do esporte na China

No artigo de hoje, você vai conhecer a história de Yao Ming. Um dos maiores jogadores de basquete da história da NBA, Yao Ming tem uma história que nem todo mundo conhece.

Isso tanto na qualidade de Yao Ming como pivô, quando na sua altura de 2,28m.

Qual a importância de Yao Ming na China? Como ele saiu do país asiático e foi parar nos Estados Unidos?

Quer saber mais sobre Yao Ming, então vem com a gente!

A Infância de Yao Ming

Primeiramente, antes de falarmos sobre a carreira de sucesso de Yao Ming, vale ressaltar as suas origens.

O pivô nasceu no dia 12 de setembro de 1980, na cidade de Shaghai. Seus pais eram bem altos e, assim como Yao, jogavam basquete também.

Ele teve uma criação muito simples e de muita dificuldade. Ele cresceu em um contexto em que a China, 1 milhão de habitantes, vivia uma crise bem grande.

Por esta razão, a família de Yao alimentava com o que tinha, mas nem sempre era o suficiente.

Paralelamente, o jovem crescia dia após dia. Quando estava na terceira série, Yao Ming já media 1,80m, maior que a própria mãe.

Enquanto crescia, Yao Ming foi apresentado muito cedo ao esporte. Mas não se interessava tanto.

A sua verdadeira paixão era o militarismo. Gostava de pesquisar sobre e se inteirar sobre as forças armadas do país.

Entretanto, o destino com o basquete já estava traçado. Ele não tinha como escapar.

A Trajetória no Basquete

Foi então quando Yao Ming estava no nono ano do ensino fundamental que que uma proposta de um time de basquete mudaria sua vida.

O time local Shanghai Sharks, da liga profissional do basquete chinês, viu o tamanho de Yao Ming e o convidou para fazer alguns testes por lá.

Yao fez os testes, ficou no time e fez sucesso. Chegou tão longe no time que, em 2002, suas atuações despertaram o interesse no maior basquete do mundo. 

A NBA realizou o draft, que é quando os times escolhem jovens jogadores das universidades para jogarem em suas equipes profissionais.

Yao Ming foi um dos maiores jogadores dos Rockets (Foto: Reprodução)

Naquele ano, a liga buscava, também, ampliar seus horizontes e trazer jogadores de outros países do mundo para a NBA.

Neste ínterim, estava Yao Ming. O chinês foi a 1ª escolha do Houston Rockets em 2002.

Nesse time, ele fez muito sucesso e construiu uma carreira vitoriosa, com seus 2,28m.

Ao longo da sua jornada no basquete, Yao Ming fez história na NBA e na China.

Na NBA, Yao Ming participou do jogo dos “all-stars” – jogo com os melhores da temporada-, por cinco vezes.

Além disso, Yao foi homenageado no Hall da Fama da NBA, e eleito como parte do quinteto ideal da liga três vezes.

Já na China, Yao Ming era para além de um grande craque, mas como o maior ídolo do esporte para os chineses.

No país, ele se tornou o rosto da China para o mundo por causa do esporte. 

Ele representou seu país duas vezes nos Jogos Olímpicos, em 2004 na Grécia, e em 2008, no seu país natal.

Nesta última ocasião, Yao foi o porta-bandeira da delegação chinesa nos Jogos e acendeu a pira olímpica.

Apesar de não ter conseguido uma medalha para o país, seu maior prêmio é de ter sido um embaixador do seu país para o mundo por meio do basquete.

Uma frase marcante dele é de que, “para os americanos, se eu falho, o faço sozinho. Mas na China, se eu falho, milhares falham junto comigo”.

Essa frase é emblemática porque o número de praticantes de basquete na China pulou de 37 milhões para 300 milhões depois que Yao foi para a NBA.

A sua influência no esporte fez dele um ícone e um grande precursor do basquete na China

Yao Ming fora das quadras

Yao Ming se aposentou em 2011, jogando pelos Rockets, onde recebia cerca de 17 milhões de dólares.

Dez anos depois, o tesouro de Yao Ming multiplicou-se, e é estimado em mais de 120 milhões de dólares. 

Entretanto, esse valor todo não vem só da sua carreira como jogador de basquete.

Yao Ming, ainda como jogador, recebia patrocínio de diversas marcas, como Rebook, Visa, McDonald´s e Apple.

Somados todos estes vencimentos, Yao Ming chegou a ganhar 34 milhões de dólares em patrocínios.

Carreira de Yao Ming o fez o maior ídolo do esporte na China (Foto: Reprodução)

Já aposentado, Yao Ming possui alguns investimentos que justificam ainda mais o seu sucesso fora das quadras.

Um dos estabelecimentos de Yao é um restaurante que leva seu nome, localizado em Houston, no Texas.

Além disso, como se não bastasse cuidar deste investimento, Yao também tem um braço no ramo rural. O ex-atleta é dono de uma vinícola na Califórnia.

Apesar disso, pode até parecer, mas Yao não se desvinculou do basquete.

O ex-atleta possui um projeto que busca ajudar financeiramente jovens promessas do basquete que um podem ser estrelas na NBA.

O soft power e o projeto de poder da China

O grande sucesso de Yao Ming como jogador de basquete é motivo de muito orgulho para os chineses.

Entretanto, para alguns, existe um fator polêmico que está por trás deste sucesso e que nem todos conseguem perceber a primeiro momento.

Como forma de expandir a sua influência no mundo de forma que atraia corações e mentes, a China possui uma estratégia chamada Soft Power.

O objetivo é aumentar a estima do país para o mundo utilizando a imagem de grandes talentos esportivos.

O objetivo é que todos admirem a China ao assistirem a performance dos seus atletas.

O problema em si não é este, porque até nós brasileiros queremos que nossos atletas vençam para o nosso país ser homenageado através deles.

O foco aqui é a maneira como a China trabalha de forma rígida e precoce seus atletas para que eles sejam nada menos que os melhores.

Esta pressão em cima dos jovens esportistas é relatada no livro “Operation Yao Ming”, que conta como a China é dura com crianças prodígio no esporte.

Yao Ming marcou história, e hoje é um ídolo do país. Mas você poderia imaginar quanta coisa interessante cercava este personagem?

Então continue a acompanhar nosso blog para ler mais histórias como essa.

Aproveite e siga nossas redes sociais e inscreva-se no nosso canal no Youtube. Até a próxima!

Texto de Paulo Santos, de São Vicente/SP


Veja Também


Deixe seu comentário