Visita à China do presidente Temer durante a Cúpula dos BRICS

O presidente Michel Temer iniciou na semana passada uma viagem oficial à China. Aproveitando a reunião de cúpula dos BRICS, grupo de países de economia emergente formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o presidente brasileiro antecipou a sua ida ao país asiático para encontrar-se com empresários chineses em busca de investimentos para o país. A visita à China iniciou-se na sexta-feira, dia 01, a convite do presidente chinês Xi Jinping. Estão previstos encontros com o presidente do país, o primeiro-ministro, Li Keqiang, e com o presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, Yu Zhengsheng. A 9ª Reunião de Cúpula dos BRICS acontece entre os dias 03 e 05 de setembro.

 

visita à China
9ª Cúpula dos BRICS, em Xiamen, na China. Da esquerda à direita: Michel Temer, Presidente do Brasil; Vladimir Putin, Presidente da Rússia; Xi Jinping, Presidente da China; Jacob Zuma, Presidente da África do Sul; e Narendra Modi, Primeiro-ministro da Índia.

 

Compromissos oficiais durante a visita à China

Como foi dito anteriormente, a pauta das discussões entre os governos desses países é a economia. A importância da visita à China deve-se ao país asiático ser o maior parceiro comercial brasileiro. No ano passado, o volume de negócios entre os dois países foi de US$ 320 bilhões, com saldo positivo para o Brasil na balança comercial.

 

visita à China

 

O presidente brasileiro procura levar aos chineses a imagem de um país que está se recuperando de sua mais grave crise econômica. De acordo com Michel Temer, o Brasil já teria saído da crise ao mostrar pequenos sinais de crescimento em sua economia. Além disso, o presidente foi à China para divulgar o pacote de privatizações anunciada no final do mês de agosto. Seu principal intuito seria estimular os empresários chineses a investirem no país, especialmente através de sua participação nas rodadas de privatização que estão para acontecer. No dia 02, o presidente participou de um seminário sobre Oportunidades de Investimentos com empresários chineses, onde apresentou a reforma trabalhista e as oportunidades de negócios para os chineses.

Além de tratar de assuntos comerciais, os governos dos dois países trataram, durante a viagem, sobre a Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN) e o Diálogo Estratégico Global, onde serão tratadas questões de cooperação cultural e consular, ademais serão discutidos temas da agenda global, como mudanças climáticas.

 

A 9ª Cúpula dos BRICS

Na segunda-feira, dia 04, o presidente chinês, Xi Jinping, discursou na abertura da 9° reunião de cúpula do BRICS. O tema da reunião esse ano foi “BRICS: Parceria mais forte para um futuro mais brilhante”. De acordo com o governante chinês, seria necessário aumentar os investimentos dentro dos países do bloco, visto que somente 5,7% dos US$ 197 bilhões que os países-membros dos BRICS investiram ao redor do mundo ficaram dentro do bloco. O presidente chinês também anunciou que a China iria investir cerca de 500 milhões de yuans em um plano de cooperação econômica e técnica com o objetivo de facilitar trocas comerciais e financeiras. Além disso, informou que iria investir no Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), instituição na qual participam os países do bloco.

 

visita à China
Michel Temer chegando na China para a 9ª Cúpula dos BRICS.

 

Xi Jinping também defendeu um aumento do multilateralismo e do combate em conjunto contra o protecionismo comercial. Fazendo eco ao discurso do presidente Temer, que em meio a visita à China defendeu a reforma trabalhista, o presidente chinês argumentou a favor de reformas nas economias de todos os países dos BRICS. Apesar da crise de 2008 já ter passado, os países emergentes estariam passando por uma fase de ventos contrários, e que, por causa disso, seria necessário tomar medidas ,muitas vezes consideradas amargas, para assegurar o crescimento sustentável de suas economias.

 

Condenação do teste nuclear norte-coreano

Também durante a visita à China, o presidente Temer e os demais líderes dos BRICS condenaram veementemente o teste de uma bomba de hidrogênio realizada pela Coreia do Norte no último domingo, dia 03 de setembro. Os líderes expressaram preocupação com a desestabilização política e de segurança na região.

Compartilhe conosco sua opinião nos comentários!

 

Por Victor Fumoto, diretamente de Marília, SP, Brasil

Fontes: Ministério das Relações Exteriores (MRE); Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MIDIC); Jornal O Globo

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +


Veja Também


Deixe seu comentário