Santa Catarina vê sua importação alavancada pelo comércio com a China

O desempenho das empresas do estado de Santa Catarina, em termos de importação foram superiores em 2018 ao comparadas com o ano de 2017. Segundo dados da FIESC (Federação das Indústrias de Santa Catarina), as importações cresceram 22,9% o que em termos numéricos totaliza US$ 15,47 bilhões. Neste artigo você vai entender como as empresas de Santa Catarina têm se beneficiado com as importações. A maioria destas, advindas do comércio com a China.

 

Importação
Fonte: Pronta Serviços Contábeis

 

Ao alcançar este patamar numérico de importação, o estado de Santa Catarina torna-se o terceiro maior importador do Brasil, com uma participação na fatia de 8,5%. Ainda utilizando os dados da FIESC, os destaques de produtos importados são: cobre refinado, carros e polímeros de etileno.

A importação de todos estes produtos cresceu exponencialmente entre os anos, com destaque à importação de carros que possuiu uma alta de 299.2% no período analisado. Além desses três primeiros produtos, outros itens de importação merecem destaque, como: fios de filamentos sintéticos e pneus de borracha.

 


China: principal parceira comercial

O principal país parceiro comercial catarinense é a China. Na balança comercial do estado, a China é o principal país do qual o estado importa. Em seguida surgem outros países, como: a Argentina, o Chile, os Estados Unidos e a Alemanha, porém em números bem menos expressivos.

Desde 2001, as importações de Santa Catarina sempre foram voltadas aos produtos manufaturados e, já nessa época, representavam 75.6% da fatia de importação. Um salto temporal de 2003 a 2013, por exemplo, nos permite enxergar que em 2003 as importações de manufaturas da China representavam cerca de US$ 730 milhões.

Ao passo que, em 2013, esse valor já se encontrava na casa dos US$ 13,9 bilhões. Em um espectro geral, as importações em um período de 10 anos (2001 – 2011) obtiveram um aumento de 1.626%. Considerando os dados atuais, vêm aumentando conforme o comércio com os países aumentam, em especial com a China.

 

Importação
Fonte: Diário Catarinense

 

Importações e exportações

As importações cresceram em um ritmo superior às exportações, apesar de que as exportações também aumentaram no período analisado.  As exportações cresceram 5.2%, alcançando o patamar dos US$ 8.95 bilhões, estes dados foram provenientes do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Apesar do aumento, alguns setores verificaram uma queda, como o setor de manufaturados. Com um decréscimo de 0.9%, os produtos que alavancaram a exportação foram os produtos básicos, com um aumento de 11.4% e os produtos semimanufaturados 20.6%.

Os principais produtos que compõem tais fatias do setor da exportação são as carnes, de frango e carne suína, que somam 23% de toda a exportação do estado de Santa Catarina.

Do mesmo modo que as importações foram alavancadas a partir de um aumento do comércio com a China, assim também ocorre com as exportações. A China assumiu a liderança do destino das exportações, comprando produtos que atingiram a marca dos US$ 1.44 bilhão no ano em questão, 2018, com uma alta de quase 50% em relação a 2017, o ano anterior. Os principais produtos foram carne de aves, soja e carne suína, ocupando a terceira posição, mas outros produtos como os que serão citados pelas empresas abaixo compõe a fatia de exportação, como partes de motor e os motores elétricos.

 

Principais empresas envolvidas

As principais empresas que auxiliam nesse processo de aumentar os índices da balança comercial catarinense são a BRF S.A, a maior empresa localizada em Concórdia/SC. Surgiu com a fusão da Sadia e da Perdigão, se tornando uma das maiores produtores e exportadoras de carne para o mundo. Atualmente a BRF S.A atinge mercados quase no mundo todo, estando presentes em países da América Latina, Ásia, Europa, Oriente Médio e África.

Outra empresa que atinge altos patamares e gera importantes índices numéricos para a balança comercial de Santa Catarina é a Tupy S.A., localizada em Joinville/SC, uma empresa que, diferentemente da anterior, não faz parte do mercado alimentício. Atua na fabricação, comercialização e exportação de peças automotivas, razão pela qual o estado importa carros, seguindo a lógica de uma país primário-exportador.

O Brasil exporta produtos de baixo valor agregado (como peças automotivas) e importa produtos de altíssimo valor agregado (os automóveis prontos). Diferentemente da BRF S.A, a Tupy S.A possui suas vendas voltadas mais para o continente americano, ao exportar para países como o México e os Estados Unidos.

Uma terceira empresa é a WEG S.A., localizada em Jaraguá do Sul/SC, que possui como principais produtos motores elétricos, máquinas elétricas, tintas industriais etc.. Também seguindo a lógica de país primário-exportador, como a Tupy S.A., a América do Norte é o principal destino dos produtos da empresa, mas também conta com a exportação para a América do Sul e Central, Ásia, África e Oceania, ou seja, possui também um alcance global.

 

Importação

 

A China é, atualmente, o principal parceiro comercial do Brasil e também do estado de Santa Catarina. Portanto, a partir de um desempenho importante das empresas e do comércio crescente com a China, o estado de Santa Catarina pode ver suas importações e exportações aumentarem ao longo dos anos. 

 

Por Lucas Lima da Cruz, diretamente de Marília, SP – Brasil

Fonte: ProntasSC, FIESC, NSCTOTAL, MDIC

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter


Veja Também


Deixe seu comentário