Nova tendência para o e-commerce

Você sabe qual é a nova tendência para o e-commerce a curto a médio prazo no Brasil e no mundo? 

Empresas montam estratégia de armazenagem de produtos diretamente da China, para ter 100% do controle da importação. 

É uma evolução do dropshipping.

Qual a viabilidade disso? O que muda para o e-commerce? É o fim do dropshipping?

Conheça a modalidade já adotada por grandes empresas do setor e que já começa a ser praticada por firmas menores.

Opção global de importação e o dropshipping

A empresa Petz, uma das principais companhias do ramo pet do país, busca adotar uma nova tendência no processo de importação de produtos comprados em seu e-commerce.

A estratégia é estabelecer uma armazenagem de produtos lá na China para poderem controlar todo o processo de importação.

Isso é importante porque pode indicar uma nova direção do mercado que implica em menos adesão ao dropshipping, utilizado por muitas lojas virtuais

Mas o que é o dropshipping?  Basicamente, é a empresa vender no seu site aquilo que ela não tem no estoque.

O processo é simples de entender: a pessoa entra na loja virtual e compra um produto. Após o ato da compra, o site aciona uma empresa terceirizada.

Esta sim, por sua vez, possui um estoque com diversos produtos. Diferentemente daquela loja virtual.

A terceirizada fica responsável, então, de registrar o pedido feito pelo site, confeccionar a entrega e enviar para o cliente. 

É um processo tripartite: o cliente, o e-commerce sem produto e a terceirizada, que possui, de fato, estoque e manda encomenda em embalagem neutra.

A evolução do dropshipping 

O passo ousado da Petz é uma espécie de evolução deste dropshipping e pode ser uma nova tendência.

A grande diferença adotada pela empresa é que agora ela quer abrir mão desta empresa terceirizada e assumir um estoque in loco na China.

Com isso, a empresa tem todo o controle do e-commerce, desde o pedido do cliente, confecção da encomenda e a entrega na casa do consumidor.

Tubarões do e-commerce, como Mercado Livre e Lojas Americanas já fazem isso há alguns anos, paralelamente com o crescimento da Aliexpress no país.

Em seus sites, as empresas disponibilizam a chamada “opção global”, que permite ao cliente comprar um produto diretamente do estoque desta marca na China.

Mas se isso já é feito há alguns anos, por que é tratado como uma nova tendência? 

A grande questão não é o que está sendo feito, mas quem está fazendo.

Em outras palavras, esta nova modalidade, aparentemente, começa a chegar a empresas não tão grandes assim no e-commerce, mas que tem um público que consome bastante delas.

Isto pode fazer com que outras empresas que têm um interessante fluxo de tráfego em seus sites queiram partir para esta nova tendência.

O que muda no e-commerce?

Sempre que analisamos novas tendências no mercado, é normal termos dúvidas e receios sobre o que muda no e-commerce.

Por isso, vamos responder três principais perguntas que surgem para o importador ao se deparar com novidades como essa.

Isso vai prejudicar o mercado?

A preocupação é justa e honesta, mas fique tranquilo: a resposta para esta pergunta é não.

O motivo é lógico. Esta modalidade é facultativa ao cliente, ou seja, ele pode escolher se quer receber o produto imediatamente ou não.

Tem pessoas que já estão acostumadas em comprar um produto na loja virtual de sua preferência e esperar pacientemente de 30 a 40 dias aquela encomenda chegar.

Entretanto, há outras pessoas que preferem que o produto chegue em suas mãos o mais rápido possível, e aderem ao tipo de entrega Full, em que o consumidor recebe a encomenda no dia seguinte.

Por esta razão, fique tranquilo. Tem mercado para todo mundo por existir variados tipos de clientes.

Nova tendência para o e-commerce pode mudar maneira de vender na internet (Foto: Reprodução)

Essa nova tendência tem futuro?

Com base em tudo o que explicamos acima, sim. Esta nova tendência de armazenagem própria da China tem futuro.

A razão é que com as mudanças do mercado, a expectativa é que mais empresas de diversos setores rumam para este tipo de operação.

A grande vantagem de ter maior controle no processo de importação é que você consegue armazenar e vender mais.

Na prática, isso significa que sua empresa poderá baixar o preço final do produto em razão da oferta.

Outra vantagem é gerar confiança e credibilidade com seu nicho, por entregar um produto com o selo de qualidade da sua logomarca. 

No dropshipping isso não ocorre porque a embalagem é neutra, por ser feita pela terceirizada.

É o fim do dropshipping?

Não necessariamente. Entretanto, quanto mais as empresas maiores aderirem a esta prática, cada vez mais o modelo dropshipping  fica condicionado a pequenas empresas.

O dropshipping ainda é uma boa solução para quem está começando na área de e-commerce e quer construir um fluxo de tráfego maior em seu site.

Entretanto, caso esta nova tendência de importação ganhe força nas grandes empresas do e-commerce, o caminho natural é haver uma mudança de estratégia.

Quando rumar para esta nova tendência?

A dica mais valiosa para se dar neste momento é: tenha paciência! Por ser algo novo, ainda não é uma modalidade para todo tipo de empresa.

O mais importante para saber o timing correto é verificar se o seu e-commerce tem demanda suficiente para isso.

Só faz sentido em uma armazenagem estruturada de produtos in loco na China se seu site virtual possuir grande demanda.

Vale a pena para empresas como Mercado Livre e Americanas manterem uma opção global de entrega porque muita gente consome deles.

Então, a dica principal é: trabalhe para aumentar seu tráfego de fluxo

Popularize seu e-commerce, ganhe clientes dentro do seu nicho e depois alce voos maiores.

Aumentar fluxo não significa ter a mesma quantidade que as grandes empresas do e-commerce, mas alcançar bastante relevância no seu micro-nicho.

Após atingir esta meta, sim. Procure uma trading que possa orientar sua empresa nesta mudança e amplie seus negócios.

Gostou das dicas? Então siga nossas redes sociais, acompanhe nossos blogs, com conteúdos exclusivos, e inscreva-se no nosso canal no Youtube.

Texto de Paulo Santos, de São Vicente/SP


Veja Também


Deixe seu comentário