Importar máquinas da China: vale a pena?

Neste artigo você vai descobrir como importar máquinas da China. Quais as vantagens de desvantagens? Vale a pena trazer equipamentos do país asiático?

Descubra aqui quais as melhores formas de se importar máquinas da China. Está interessado no tema? Então siga a leitura e aprenda sobre um dos mercados mais rentáveis do comércio.

História das máquinas

Primeiramente, antes de falarmos sobre importação de máquinas da China precisamos entender como elas surgiram.

A relação do Homem com as máquinas começou há muito tempo. Muito tempo mesmo! 

Para ser mais exato, no século 3 a.C, quando o filósofo ítalo-helênico Arquimedes, que projetou o primeiro esboço do seria uma máquina.

Matemático de formação, o filósofo elaborou o projeto de alavanca, inventada por ele para carregar cargas pesadas.

Além disso, o estudioso criou, também, o Parafuso de Arquimedes, para elevar água, a catapulta, que foi usada por muito tempo como arma de guerra. Foi o surgimento das “máquinas simples”.

As máquinas simples são tecnologias que conseguem mudar forças ou simplesmente mudá-las de direção e sentido.

Passaram a existir, então, cinco tipos de máquinas simples:

  • Polia
  • Molinete
  • Cunha 
  • Parafuso
  • Alavanca

Leonardo Da Vinci

Com o passar das eras, as máquinas acompanharam a evolução da Humanidade e passaram a cada vez mais as necessidades da sociedade.

Por exemplo, no século XV, na era da pré-Revolução Industrial, umas das principais figuras que contribuíram para inventar novas máquinas foi o artista Leonardo Da Vinci.

O famoso renascentista foi um dos principais responsáveis por desenhar e projetar diversas máquinas.

Uma delas foi um dispositivo para moer as substâncias que utilizava para obter as cores. 

Do mesmo modo, desenhou máquinas que poderiam ser usadas em guerras como canhões de oito e 33 bocas. 

Desenhou também escadas para superar muros elevados, máquinas para transpor muralhas e até tanques de guerra.

Juntamente com isso, Da Vinci elaborou projetos de aviação com base na mecânica de voo dos pássaros. 

Ou seja, Da Vinci foi muito importante para nos ajudar a termos as máquinas de hoje em dia. Ao todo, foram mais de 13.000 projetos elaborados pelo italiano.

Revolução Industrial mudou radicalmente a produção no mundo (Foto: Reprodução)

Revolução Industrial

Apesar das desafiantes ideias traçadas e desenhadas por Da Vinci, a maioria das suas máquinas não saiu do papel.

Foi a Revolução Industrial, deflagrada no século XVIII, que proporcionou um grande avanço das máquinas para o mundo moderno.

Nesta época, por exemplo, James Watt criou a máquina a vapor, em 1765. Este dispositivo havia sido projetado pelos egípcios séculos antes, mas foi aperfeiçoado pelo inventor inglês.

Para se ter ideia, a potência da máquina era tão extraordinária que passou a movimentar navios, fábricas de teares, máquinas de usinagem.

Era o que faltava para automatizar a produção e acelerar a comercialização de produtos que eram feitos à mão por algum especialista.

Os produtos passaram a ser feitos em maior quantidade, e o processo de fabricação passou a ser dividido entre mais pessoas.

O surgimento do motor

Posteriormente, cerca de 100 anos depois, surgiu o motor. A máquina foi elaborada a partir da tecnologia do gerador de corrente contínua.

O dispositivo foi criado por Werner Von Siemens, em 1866.  

Foi a partir desta tecnologia que ele apresentou em Berlim a locomotiva, movida por motor elétrico de dois quilowatts.

A tecnologia evoluiu. Surgiram os motores bifásicos e trifásicos. Ao passar do tempo, os motores começam a ser produzidos em série, em 1889.

Depois do surgimento do motor diesel, 1897, foi possível, então, a criação dos automóveis.

Neste ínterim, apareceu a figura do revolucionário Henry Ford. Ele foi o primeiro a inventar a linha de montagem.

Uma mesma máquina era capaz de produzir 100 peças de automóvel.

Santos Dummont

Enquanto a produção de veículos tornava-se alucinante, um brasileiro começa a trazer vida para uma das maiores máquinas do mundo.

Em 1906, Santos Dummont criou o avião. Fez seu primeiro voo com o 14bis, em um campo aberto em Paris, na França, em outro daquele ano.

Dias Atuais

Depois das duas grandes guerras, a tecnologia das máquinas evoluiu muito.

A necessidade obrigou os cientistas a desenvolverem ferramentas como a informática, os computadores e a internet.

Em razão disso, o mundo se globalizou, a comunicação passou a ser feita mais rapidamente e novas máquinas passaram a ser desenvolvidas.

Neste contexto, a China se desenvolveu como potência industrial.

Apesar da crise econômica causada pelo coronavírus, a China ainda é o maior fabricante de máquinas do mundo.

A informação é do World Machine Tools Output & Consumption Survey, levantamento realizado pelo grupo Gardner em maio de 2020.

China é a maior produtora de máquinas do mundo. (Foto: Reprodução)

Importação de máquinas da China: vale a pena ou não?

Antes de mais nada, precisamos compreender porque muitos empresários decidem importar máquinas da China.

Primeiramente, a indústria brasileira não tem uma forte fabricação de máquinas em geral.

De fato, o País está entre os 10 maiores fabricantes de máquinas do mundo, mas muito puxado pelo setor automotivo, protagonizado pelas multinacionais.

Quando falamos em maquinário, entende-se um universo de possibilidades para atender inúmeras necessidades. Neste quesito, a China se destaca.

Por esta razão, as empresas de grande e médio porte preferem importar máquinas dos chineses para encontrarem maior variedade.

Quais as vantagens?

Acima de tudo, a principal vantagem de importar máquinas da China é pela qualidade.

Criou-se o mito de que o país asiático no país asiático, a produção de maquinário tinha um desempenho inferior em relação ao mercado.

Países como Alemanha, Estados Unidos e Japão sempre foram conhecidos pela qualidade de fabricação de máquinas.

A China era considerada inferior a estes países, mas isso já  mudou. Muitos engenheiros destes países têm trabalhado em conjunto com os chineses.

Isso tem feito a qualidade do maquinário ser uma das melhores.

Além disso, a China tem o melhor custo-benefício de todos pela grande quantidade de produção.

Fator Tarifário

Juntamente com a qualidade, acrescento o fator tarifário. Vale a pena, no que diz respeito a impostos, importar máquinas da China.

Um dos grandes trunfos para as empresas brasileiras é o benefício Ex-Tarifário.

Resumidamente, o Ex-Tarifário é um regime temporário de importação de bens de capital que reduz alíquotas de impostos, desde que não haja produção nacional equivalentes.

Sob este regime, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) zerou o pagamento de alíquotas de impostos em setembro de 2020. 

 Sem o Ex-Tarifário, as empresas teriam de pagar o Imposto de Importação de 14% e 16%. O benefício dura até dia 31 de dezembro de 2021.

Custos fixos podem encarecer importação de máquinas da China (Foto: Reprodução)

Quais as desvantagens?

Em contrapartida, existem, sim, desvantagens de importar máquinas da China que devem, sim, ser consideradas.

Se você já acompanha nosso conteúdo, já deve ter ouvido falar dos custos fixos de importação.  

Se você não sabe, calma que a gente explica!

Os custos fixos são compostos por diversas despesas que sua empresa terá de arcar no processo de importação.

Seja qual for o produto ou a quantidade, você deve colocar estes gastos no orçamento.

O valor gira em torno de R$10 mil, e inclui custos portuários, despachante aduaneiro, logística e outros gastos.

Se sua empresa importar um valor alto de máquinas da China, este valor de R$10 mil será diluído pela quantidade de produtos comprados. 

Em outras palavras, vale a pena importar máquinas da China se forem compradas em grande quantidade.

Quanto mais você importar em máquinas, menos pagará de custos fixos em valores proporcionais.

Envio de engenheiros à China

Existe uma outra desvantagem de importar máquinas da China é no caso de compra de uma máquina grande, mas que a empresa não sabe como o dispositivo funciona.

Nestes casos, as empresas costumam enviar os seus próprios engenheiros para aprenderem sobre a máquina.

No mesmo pacote, contrata-se um intérprete para traduzir do mandarim para o português a explicação sobre o produto, o que gera mais um gasto.

Este tipo de ação pode sair bem caro comparado com o custo total do investimento. Deve ser levado em conta o preço da máquina em si.

Isso tudo somado aos custos fixos, mais os impostos, podem ser prejudiciais para o preço final do produto na hora da venda.

Se interessou em importar máquinas da China? Então fale conosco e tire suas dúvidas! Aproveite e siga nossas redes sociais para mais novidades.

Texto de Paulo Santos, diretamente de São Vicente/SP.


Veja Também


Deixe seu comentário