Governo aumenta imposto de importação de cem produtos

No fim da tarde desta terça-feira (4 de Setembro de 2012) o governo brasileiro anunciou a elevação do imposto de importação de cem produtos para incentivar a produção local. O anúncio foi feito pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega.

O aumento inclui produtos siderúrgicos e petroquí­micos, além de outros mais conhecidos do púlico em geral, como batatas, pneus, sola ou salto de sapato, e tijolos. Você pode verificar a lista completa de produtos que está disponí­vel no site do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

A medida será revisada pelo Mercosul a partir do dia 6 de setembro antes de entrar em vigor. Os integrantes do Mercosul terão o prazo de 15 dias úteis para eventual negativa acompanhada de fundamentação objetiva.

Se depois desse prazo, se não houver oposição, o Brasil estará autorizado a adotar a medida. As elevações de Imposto de Importação para a lista de cem produtos terão validade de até 12 meses, prorrogáveis por igual perí­odo, até o final de 2014.

O GTAT-TEC, presidido pela Secretaria-Executiva da Camex e formado por representantes dos sete ministérios que compõem a Câmara de Comércio Exterior, analisou os pedidos do setor privado e de entidades representativas que enviaram os pleitos por meio de consulta pública. Para apresentar a solicitação, foi necessário fornecer informações como caracterização do produto, alteração pretendida, oferta e demanda, além de dados complementares. Os parâmetros objetivos utilizados para análise dos pedidos foram:

  • Compatibilidade com o Plano Brasil Maior e com outras políticas públicas prioritárias, tais como Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), programa de margem de preferência em compras governamentais, novo regime automotivo, entre outras;
  • Evolução das importações, em especial o volume e a taxa de crescimento;
  • Grau de penetração das importações (porcentagem das importações sobre o consumo nacional aparente);
  • Queda do preço médio das importações;
  • Balança comercial deficitária;
  • Capacidade produtiva compatível com a demanda;
  • Nível de utilização da capacidade instalada;
  • Coerência da elevação tarifária com a cadeia produtiva;
  • Agregação de valor na indústria doméstica;
  • Investimentos realizados, em curso ou planejados para o setor;
  • Alíquota máxima de 25%, considerando impactos em preços na cadeia produtiva.

Quem irá pagar essa diferença no final das contas? Com certeza o consumidor!

FONTE: Economia UOL

Se você precisar de qualquer apoio para começar a importar da China ou melhorar a sua operação aqui na Ásia, podemos apoiá-lo na busca de fábricas chinesas capazes. Nós fazemos a  procura de fornecedores chinesescontrole de qualidade e carregamento da carga para você em qualquer lugar na Ásia. Consulte nosso site para mais informações.


Veja Também


Deixe seu comentário