3 dicas que não te contam para começar a exportar

Três dicas que não te contam para começar a exportar

Neste blog te daremos três dicas que não te contam para começar a exportar. Deseja entrar neste ramo e tem dúvidas, aqui é o lugar certo.

São verdade simples, mas que podem fazer a diferença na sua carreira na área da exportação.

Ficou curioso?  Vem com a gente!

Dicas Óbvias

Antes de falarmos sobre as dicas valiosas sobre exportação, vamos começar do básico. 

Aquelas dicas que todo mundo que tem o mínimo de curiosidade por Comércio Exterior já ouviu.

Aprender Inglês

De todas as dicas óbvias, esta é a mais básica de todas! É mais que óbvio que antes de qualquer passo rumo ao comex, aprender inglês deve ser sua prioridade.

Isso porque a língua é falada pelo mundo todo nos dias atuais. É imprescindível desenvolver esta capacidade para se comunicar com os clientes.

Atualmente, existem diversos cursos on-line que facilitam a vida de quem tem uma rotina corrida e estressante. 

Basta pesquisar, se cadastrar e dar um play no inglês!

Radar Siscomex Habilitado

Outra dica básica para quem deseja ser um importador é ter uma empresa com RADAR Siscomex habilitado.

O Radar é um sistema informatizado da Receita Federal, por meio do qual o governo consegue controlar as operações do comércio exterior brasileiro. 

O Siscomex foi criado justamente para facilitar quem opera com o Comércio Exterior.

A ferramenta cria um canal único para o fluxo de informações e elimina controles paralelos.

Por fim, o Siscomex diminui a burocracia e a quantidade de documentos necessários.

Sem este RADAR, é impossível operar no mercado de comercio exterior.

Frequentar feiras de negócios


Outra dica óbvia é frequentar feiras de negócios no Brasil e no exterior para se inteirar sobre seu ramo e fazer trades.

Se o seu desejo, por exemplo, é fazer negócios com a China, vale a pena visitar a maior feira do país.

A Feira de Cantão reúne empresários do mundo todo para apresentar novidades e fazer negócios.

Dicas Não Tão Óbvias Assim

Agora que já vimos as dicas basiquinhas que você já deve ter ouvido falar no seu processo de comex ou na faculdade, vamos dar dicas mais direcionadas.

Exportação não precisa ser tão complicado se você dominar bem alguns aspectos que podem ser fundamentais na sua jornada.

A seguir, daremos três dicas não tão óbvias para quem quer exportar.

Aprenda a pesquisar o mercado internacional

A primeira dica essencial, atrelada ao conhecimento do inglês, é sobre como pesquisar o mercado internacional.

Por falarmos e nos comunicarmos em português, nossa tendência é realizar todas as pesquisas em nossa língua-mãe.

Entretanto, este tipo de hábito limita quem deseja explorar mais a fundo o mercado internacional.

É imperativo compreender que, como disse acima, o mundo se comunica em inglês. Por isso, todos os dados e informações que você precisa também estarão em inglês.

Paralelamente a esta mudança de hábito, você terá referências de grandes mercados.

Por exemplo, os Estados e o Canadá, que são grandes potências que têm um grande poder de compra. 

Buscar informações confiáveis e originais faz toda diferença para o melhor conhecimento destes mercados.

Além disso, há países ricos que fazem a economia girar, como Alemanha e Suíça. Para ampliar o seu conhecimento comercial sobre estes países, só com informações em inglês.

Se você dominar esta dica, seu caminho na exportação tem grande futuro.

O mundo globalizado exige profissionais mais preparados para o mercado (Foto: Reprodução)

Use o cálculo como seu aliado

Em segundo lugar, outra dica fundamental para exportar é usar o cálculo como seu aliado.

Durante o curso de Comércio Exterior são ensinados muitos cálculos – muitos deles muito válidos-, para administrarmos nossos negócios e operações.

Contudo, o cálculo que será mais utilizado na sua jornada na exportação é a conta de precificação.

É imprescindível fazer simulações de preços dos seus produtos, sejam commodities ou industrializados.

Calcular todos os custos e fazer o câmbio para o dólar é de suma importância porque isso pode definir se você fechará negócio ou não.

O motivo é porque os clientes não querem esperar você fazer o cálculo do seu produto.

É impensável fazer um investidor esperar de seis a doze horas – ou mesmo um dia completo -, até que você conclua os cálculos e forneça o preço do seu produto.

Tempo é dinheiro. No mundo dinâmico de hoje, quando mais céleres forem suas negociações, mais dinheiro você fatura.

Verificar paridade de produto é fundamental para saber se é viável exportar (Foto: Reprodução)

Verificar viabilidade para exportar produto

Finalmente, a última dica do nosso guia é verificar a viabilidade de exportar o seu produto. Parece óbvio, mas nem tanto.

Digamos que seu produto seja açúcar. O Brasil é um grande produtor de açúcar, mas países como India e Vietnã também o são.

Por que os clientes deveriam comprar você e não de outros mercados?

A resposta é a paridade. É fundamental pesquisar o seu produto no âmbito internacional e entender a faixa de preço a qual ele é vendido.

Oferecer um valor mais barato é rentável? Seu valor está dentro do que é pago pelo mercado?

Se for mais caro, quais as vantagens e contrapartidas que podem ser feitas?

Responder essas perguntas ao desenvolver um plano de exportação é essencial para seu negócio.

Se sua empresa conseguir aliar todas estas dicas em um direcionamento planejado de exportação, será um grande passo para novas portas se abrirem.

Se aprofunde nos processos inerentes ao mercado, pesquise e tenha sucesso em um dos principais ramos de negócios do país.

Gostou das dicas? Leia mais no nosso blog. Siga nossas redes sociais e inscreva-se no nosso canal no Youtube para ter mais conteúdo.

Texto de Paulo Santos, de São Vicente/SP


Veja Também


Deixe seu comentário