Confucionismo: O pensamento que mudou a China

O Confucionismo, sem dúvidas, tem sido uma das maiores forças influenciadoras dentro da civilização chinesa há milênios. As ideias propagadas pelo seu fundador, Confúcio, transformaram hábitos culturais e seus valores éticos, com especial ênfase na importância da educação. Essas mudanças comportamentais são apontadas por alguns estudiosos como um dos fatores para o crescimento econômico dos países do Leste Asiático.

Ou seja: os valores fundados pela filosofia de Confúcio ajudaram esses países a se desenvolverem economicamente, devido à valorização da educação, da vivência em sociedade e outros aspectos.

 

A história do fundador do Confucionismo

Seu fundador, como já dito anteriormente, foi Confúcio, conhecido em mandarim como Kongzi (孔子), o qual significa “mestre Kong” ou também pode ser chamado de Kong Fuzi (孔夫子), do qual veio a forma latinizada e conhecida no ocidente. Segundo historiadores, Confúcio nasceu no ano de 551 a.C, no distrito de Zou, próximo à atual cidade de Qufu, na província de Shandong.

Durante grande parte de sua vida, ele foi conselheiro dos governantes do Estado de Lu, onde nasceu. Após um período de instabilidade dentro desse reino, Confúcio foi obrigado a se exilar e percorreu várias cidades chinesas, propagando assim suas ideias. No fim de sua vida, pôde retornar à sua cidade natal, onde passou seus últimos anos instruindo seus discípulos. Ele morreu e foi sepultado em Qufu. Seu túmulo encontra-se no Cemitério de Confúcio, ao lado do Templo de Confúcio e da casa da família. Esses três locais foram considerados em 1994 patrimônios históricos da humanidade pela UNESCO.

 

Confucionismo
Templo de Confúcio em Qufu

 

O que é o Confucionismo?

Existe um grande debate entre os estudiosos do Confucionismo quanto a maneira de classificá-lo. Alguns defendem que é uma religião; outros argumentam que é um sistema filosófico ético e moral. Apesar dessa falta de consenso quanto à sua natureza, o que não se pode negar é a influência que esse conjunto de ideias teve no desenvolvimento da China.

O confucionismo estabelece um código de ética fundamentado nos chamados “cinco constantes”, a saber:

Benevolência;

Justiça;

Costumes ou ritos próprios;

Conhecimento e

Integridade.

Esses princípios foram incorporados à cultura chinesa e fazem parte do seu jeito de pensar e conduzir a própria vida. Os fundamentos das condutas defendidas por Confúcio ditam o modo de se estudar, o modo de se temperar uma comida e também de se relacionar com parentes e amigos.

 

Patrimônios da Humanidade
Escultura de Confúcio em Qufu.

 

Dentre os cinco constantes, o principal é a benevolência, conhecida em mandarim como rén (仁), significa a boa sensação que uma pessoa virtuosa experimenta quando é altruísta. Poderia, nas palavras de Confúcio, ser exemplificado como os sentimentos protetivos dos pais em relação aos filhos. Diz a tradição que um estudante perguntara a Confúcio quais seriam as regras para ser uma pessoa benevolente, e este teria respondido com uma de suas máximas mais conhecidas:

“Não veja nada impróprio, não ouça nada impróprio, não diga nada impróprio, não faça nada impróprio”

Mestre Confúcio

Além desses princípios norteadores, Confúcio também defendia a importância dos conceitos de lealdade ao governante e respeito filial aos pais. Sobre a lealdade, Confúcio estabeleceu princípios que serviriam tanto para o governante quanto para o governado. Segundo o mesmo, o governado deveria obedecer ao seu superior por este possuir qualidades e retidão moral.o governante deveria garantir aos que lhe obedeciam um respeito de modo apropriado e se caso o governante não fosse competente, poderia ser destituído pelo povo.

O outro conceito muito importante para Confúcio era a piedade filial, isto é, o respeito que os filhos deveriam dar aos pais. Essa prática engloba também o respeito aos antepassados e significa, sobretudo, que o filho deveria ser obediente, cuidar e ajudar no sustento dos pais e não fazer nada que traga desonra para a família. Esse tipo de comportamento ainda é muito presente na vida das famílias.

Resumidamente, a proposta do Confucionismo seria, através da vivência desses princípios e conceitos, criar uma sociedade harmônica. Na concepção de Confúcio, para haver essa harmonia, cada pessoa teria um papel a ser desempenhado, de acordo com as relações de subordinação, cinco no total, a saber, do governante sobre o governado, do pai sobre o filho, do marido sobre a esposa, do irmão mais velho sobre o mais novo, e de um amigo sobre um amigo. Note-se que apenas nesse último caso não há uma relação de subordinação, preponderando uma relação de respeito mútuo. Essas ideias de relacionamento tiveram, todavia, uma repercussão negativa sobre as mulheres, as quais se viam sujeitadas à autoridade e tutela do marido.

Uma das principais influências de Confúcio foi sobre a educação. No Confucionismo, ser uma pessoa sábia é um ideal a ser buscado, como uma forma de enobrecimento do próprio homem. Dessa forma, ele defendia que todos deveriam ser educados, não obstante sua classe social, retirando da nobreza o privilégio da educação. Confúcio também está ligado com a ideia de meritocracia, pois a verdadeira nobreza e honra de uma pessoa não estava ligada à linhagem desta, e sim às suas virtudes. Esse pensamento influenciou na adoção, séculos depois, de um sistema de exames oficial, sistema que inspirou os modernos concursos públicos, para que os cargos burocráticos do governo fossem ocupados por pessoas que tivessem conhecimento, e não porque eram de uma certa família nobre.

 

Confucionismo
Estátua de Confúcio, em Qufu

 

O confucionismo hoje

O Confucionismo foi muito perseguido durante o regime de Mao Tse Tung, especialmente durante a Revolução Cultural. De acordo com o governo da época, o Confucionismo seria um dos responsáveis pelo atraso da China, por ser muito ligado ao autoritarismo dos imperadores chineses e ao conservadorismo, sendo que muitos sacerdotes confucionistas foram presos pelo governo comunista. Atualmente, o governo concedeu a liberdade religiosa e as ideias de Confúcio estão sendo reavivadas na sociedade chinesa.

A influência confucionista não se restringiu à China. No decorrer dos séculos, seus ideais, especialmente o respeito aos pais e antepassados e a valorização da educação, foram passados também para a Coreia, Japão e Vietnã, além de regiões com grandes populações chinesas, como Cingapura e Malásia. Segundo alguns economistas, a ênfase na educação propagada pelos confucionistas foi um dos fatores que levaram ao extraordinário crescimento econômico desses países nas últimas décadas.

Para saber mais sobre as religiões da China (e similares), assista ao vídeo:

 

Por Victor Fumoto, diretamente de Marília, SP – Brasil

Fontes: Asia Society, Encyclopaedia Britannica, Travel China Guide.

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +


Veja Também


Deixe seu comentário