Fevereiro 01 2018

Trump faz declarações contra a China

Posted by Victor Fumoto

O presidente norte-americano, Donald Trump, durante seu discurso ao Estado da União, no qual o chefe de Estado faz um balanço do ano no governo e indica prioridades legislativas ao Congresso, nesta terça-feira (30), declarou que a China e a Rússia são países rivais e que desafiam os interesses dos Estados Unidos.

 

Trump

Trump faz declarações contra a China durante discurso ao Estado da União.

 

Trump disse a seguinte frase durante seu discurso: “[…] nós enfrentamos regimes de párias em todo o mundo, grupos terroristas e rivais como a China e a Rússia, que desafiam nossos interesses, nossa economia e nossos valores”.

O presidente também citou que “a fraqueza é a maneira mais segura de conflito, e o poder incomparável é o meio mais seguro para nossa defesa”.

Além disso, pediu ao Congresso americano que acabe com a redução do orçamento militar do país, para poder financiar totalmente as forças armadas norte-americanas e também para modernizar o arsenal nuclear dos Estados Unidos, para o tornar mais poderoso do que nunca.

 

A Resposta Chinesa aos ataques de Trump

Juntamente com o Irã, o governo chinês respondeu aos ataques recentes do presidente norte-americano, Donald Trump. A China pediu aos Estados Unidos que abandonem a mentalidade de Guerra Fria do país, chamando a mentalidade de um conceito superado, e que espera trabalhar em conjunto com os americanos “a fim de reduzir diferenças de posição, com base no respeito mútuo, centrando-se na cooperação e na gestão das diferenças”, disse Hua Chunying, porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores.

 

Trump

 

Os chineses não foram os únicos alvos de críticas do presidente dos EUA. Trump declarou no mesmo discurso que “é a hora de mudança no Irã”, em referência a onda de protestos contra o regime islâmico.

O governo iraniano já declarou que os comentários de Trump sobre o país mostram a ignorância do presidente em relação ao Oriente Médio. O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, declarou em seu Twitter: “Todos sabemos como ele se posiciona, e certamente não é ao lado dos iranianos”.

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, declarou, em pronunciamento em televisão estatal, que os iranianos não serão levados pela pressão do Ocidente: “A nação iraniana nunca vai desistir do legado do imã Khamenei; islamismo e republicanismo. Retorno é impossível”.

 

Outros Ataques

A declaração recente do presidente dos Estados Unidos, não foi a primeira de seu governo, desde que Donald Trump assumiu o governo norte-americano, as trocas de ameaças estão cada vez mais comuns.

 

Trump

 

As críticas norte-americanas à China são, em suma, comerciais. Na semana passada, Trump declarou que aceitar a China na Organização Mundial do Comércio (OMC) foi um grande erro.

“Parece claro que os Estados Unidos erraram ao apoiar a entrada da China na OMC em termos que se revelaram ineficazes para garantir que a China adote um regime comercial aberto e orientado para o mercado”,  declarou o governo dos Estados Unidos, no relatório anual ao Congresso, sobre a conformidade da China com os compromissos da OMC.

Segundo as informações e a situação, muitos especialistas acreditam que Washington não está aberto a pagar o elevado preço econômico necessário para enfraquecer a dinâmica do comércio entre os países.

A gestão de Trump já declarou que pretende ampliar o órgão de comércio para 164 membros – atualmente são 60 membros – e bloqueou as nomeações judiciais da OMC, numa mudança para conseguir reformas de seu interesse na organização.

 

Trump

 

O governo chinês rebateu as acusações, e o Ministério de Relações Exteriores da China defendeu seu papel no comércio, declarando que, atualmente, a China está cumprindo rigorosamente todas as regras da OMC e que o país está fazendo uma grande contribuição para o sistema global.

Além dessas acusações, uma empresa chinesa de turbinas eólicas foi condenada por roubar informações intelectuais de uma empresa americana de tecnologia de energia. O processo resultou em uma perda de mais de U$800 milhões. A empresa foi condenada por todas as acusações que enfrentou, incluindo conspiração, roubo de segredo comercial e fraude eletrônica, disse o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

As acusações foram anunciadas em meio a crescente preocupação com o roubo chinês de segredos comerciais dos EUA. A condenação também ocorre quando os Estados Unidos estudam possíveis medidas legais sobre propriedade intelectual contra a China.

Tal fato ampliou a atenção dos EUA com a segurança de propriedade intelectual do país. Em declaração, o Secretário do Comércio dos Estados Unidos disse que as ambições chinesas para a tecnologia apresentam uma ameaça direta à propriedade intelectual no país.

Por enquanto, as declarações e ameaças estão se limitando aos discursos presidenciais dos países, entretanto, é necessário acompanhar as tensões entre as duas maiores potências mundiais da atualidade.

Quer saber mais sobre a China e importação? Continue ligado no blog!

 

Por Nathália Gasparini, diretamente de Marília, SP, Brasil

Fontes: Sputnik, Uol, Diário do Grande ABC, Terra, Epoch Times, O Globo

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais: