June 01 2017

Tibete, o “Telhado do Mundo”

Posted by Camila Sakamoto

Conhecido como o “Teto do Mundo” ou o “Telhado do Mundo”, a Região Autônoma do Tibete recebeu esse apelido por ser o local mais alto da Terra, com uma altitude média de aproximadamente 4900 metros. Terra de catorze Dalai-Lamas e do Monte Everest, o Tibete é um reino budista que abriga centenas de mosteiros e exuberantes paisagens. É um local mágico, misterioso, espiritual e remoto, que, sem dúvida alguma, vale uma visita!

 

Tibete

 

Apesar de muito disputado no passado, entre o 13º Dalai Lama e o governo chinês, principalmente, hoje, o Tibete recebe o estatuto de província da República Popular da China. Situa-se no sudoeste do país, onde faz fronteira com o Nepal, o Butão, a Índia e a Birmânia.

A história mostra que, embora a região seja subordinada à China, a partir do século XII os Dalai Lamas assumiram o poder religioso no Tibete. Desde então, o povo tibetano, em sua grande maioria, dedica a sua vida à fé religiosa, num ritual diário, no qual todas as manhãs e todos os finais de tarde, caminham rumo aos templos. Todos os dias, sem exceção, sobem as imensas e cansativas escadas dos templos budistas com uma única finalidade: pedir o bem dos seres vivos e a paz no mundo.

 

Lhasa, o coração do Tibete

A apaixonante capital do “Teto do Mundo” recebeu o nome de Lhasa, que, em português, significa “Lugar dos Deuses”. Dona de uma arquitetura bastante peculiar, a cidade é repleta de casinhas brancas e marrons, e no topo das montanhas que circundam o local, encontram-se engenhosos templos que, de tão altos, parecem tocar o céu!

Berço do budismo tibetano, a capital do Tibete é, historicamente, a cidade do Dalai Lama. Em 1950, quando os comunistas chineses, liderados por Mao Tsé-tung, invadiram a região, anexando-a como província, Tenzin Gyatso, o Dalai Lama, fugiu a pé, em direção ao norte da Índia. Até os dias de hoje, ainda que em exílio, ele é visto como o líder oficial do governo tibetano.

 

Tibete

Tenzin Gyatso, o 14º e atual Dalai Lama

Uma das principais atrações de Lhasa é o Palácio de Potala. Símbolo da principal religião tibetana, o “Potala”, o castelo de inverno do Dalai Lama , é um complexo composto de dois palácios: o Branco e o Vermelho.

O Palácio Branco é o prédio político. Abriga tesouros, como esculturas, porcelanas, prata e ouro; quartos privados; uma sala para assembleias, e outra sagrada onde fica o trono do Dalai Lama.

O Palácio Vermelho é o prédio religioso. Nele há capelas e bibliotecas com escrituras budistas. Existem também diversos halls dedicados a Buda e estupas funerárias, que consistem em pequenos templos dedicados a Dalai Lamas anteriores.

 

Tibete

 

Lhasa vive em seu próprio ritmo: o andar lento dos habitantes e dos transportes, a calma dos monges, o silêncio durante as orações. A capital parece um mundo paralelo quando se pensa nas grandes cidades chinesas, como Pequim e Shanghai. Para conhecê-la, é necessária autorização especial do governo chinês e, inclusive, a compra de um pacote de viagem em uma agência de turismo especializada que cuide de todos os detalhes: transporte, alojamento, guia e outras formalidades.

E aí, ficou curioso para conhecer o Tibete?

Lys Brittes, diretamente de Marília, SP, Brasil

Fontes: Mundo Estranho, Contos da Mochila

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | TwitterGoogle +