March 18 2018

Produtos brasileiros mais importados pela China em 2017: descubra quais são eles

Posted by Ana Yamashita

A parceria comercial entre Brasil e China vem se tornando cada vez mais lucrativa ao nosso país. De acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), em 2017, as exportações brasileiras para a China chegaram ao número de US$ 47.488 bilhões, enquanto as importações de produtos chineses totalizaram US$ 27.321 bilhões. Dessa forma, no ano passado, as negociações com a China proporcionaram ao Brasil um superávit de US$ 20.167 bilhões. Quer saber mais sobre o assunto? Descubra abaixo quais foram os Estados brasileiros que mais exportaram em 2017, e quais são os principais produtos importados pela China.

 

produtos

 

A cada ano, as relações entre China e Brasil tornam-se mais estreitas. O gigante asiático vem se transformando no principal destino das exportações dos Estados brasileiros. Em 2017, além do Distrito Federal, 13 das 25 unidades federativas tiveram a China como o principal receptor de seus produtos no exterior, contra seis dos Estados Unidos (segundo principal destino das vendas externas dos Estados brasileiros), dois da Argentina, Hong Kong e Países Baixos e um do Canadá e Venezuela.

No ano passado, o gigante asiático foi o principal importador dos seguintes Estados brasileiros: Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Tocantins. E, figurando entre os principais produtos importados pela China, podemos encontrar: a soja (43% do total importado), o minério de ferro e concentrados (22%), e os óleos brutos de petróleo (15%).

 

O agronegócio brasileiro tem sete dos dez produtos mais importados pela China em 2017

Em 2017, o setor de agronegócios teve uma expressiva presença nas relações comerciais entre Brasil e China. Liderados pela soja em grãos, sete produtos do agronegócio brasileiro estiveram entre os dez principais bens exportados pelo Brasil. De acordo com o MDIC, a soja, a carne de frango e a bovina, o açúcar em bruto, a celulose, o café e o farelo de soja, juntos, foram responsáveis por 26,8% de um total de US$ 2017, 74 bilhões enviados pelo país para o exterior.

 

produtos

 

Dando continuidade a um padrão que vem se mantendo nos últimos anos, a soja foi o mais importante destaque entre todos os produtos brasileiros exportados em 2017, e o gigante asiático continuou sendo o maior comprador dos oleaginosos brasileiros. No ano passado, as exportações para os chineses produziram uma receita cujo total foi de US$ 25,718 bilhões, com uma alta de 34,1%, em relação ao ano de 2016. A soja, sozinha, correspondeu a um percentual de 11,8% de um total de US$ 50,178 bilhões vendidos para a China.

Além da soja, outros dois produtos tiveram presença marcante na pauta exportadora de 2017. O trio dos principais produtos exportados para a China no ano passado foi formado por: soja, minério de ferro (exportações chegaram ao valor de US$ 19,199 bilhões e participação de 8,8% nas vendas totais para a China) e petróleo em bruto (com vendas no valor de US$ 16,625 bilhões, correspondentes a um percentual de 7,6% nas exportações para o mercado chinês).

Seguindo o petróleo, o quarto item mais exportado para a China em 2017 foi o açúcar bruto, com uma receita de US$ 9.042 bilhões. Este produto, sozinho, devido a uma alta de 10,1%, quando comparado ao ano de 2016, foi responsável  por  4,2% de todo o volume embarcado pelo Brasil para a China.

Por conta de um aumento de 43,9% nas exportações realizadas no ano passado, os automóveis foram o quinto produto mais vendido pelo Brasil no exterior, chegando a um montante de US$ 6,670 bilhões, correspondentes a 3,1% do total exportado pelo país durante todo o ano de 2017.

 

produtos

 

Os outros cinco produtos que seguiram o quinto lugar dentre os principais produtos negociados entre Brasil e China, no passado, encontram-se também no setor de agronegócios. São eles: carne de frango, celulose, carne bovina, farelo de soja e café em grãos.

As exportações de carne de frango produziram uma receita no valor de US$ 6.428 bilhões, correspondendo a um aumento de 9,0% (participação de 3,0% nas exportações totais do país), enquanto as exportações de celulose geraram US$  6.345 bilhões (2,9% do total exportado). A carne bovina, cuja receita foi de US$ 5.075 bilhões; o farelo de soja, que rendeu vendas no montante de US$ 4.973 bilhões; e o café em grãos, cujas exportações atingiram o valor de US$ 4.600 bilhões; foram, respectivamente, o oitavo, nono e décimo itens mais vendidos pelo Brasil para os mercados no exterior, em especial para o chinês.

Apesar da pauta exportadora para a China ter uma forte concentração nos produtos de baixo valor agregado, enquanto as vendas para os Estados Unidos, por exemplo, têm a predominância dos produtos manufaturados, esse quadro vem, recentemente, se modificando, por conta de um produto em especial: as aeronaves.

 

Aviões: o produto industrializado que o Brasil mais exporta para gigantes como EUA e China

 

produtos

 

Em 2017, as aeronaves estiveram entre os produtos mais exportados pelo Brasil. De janeiro a outubro do ano passado, este item produziu uma receita de  US$ 2,770 bilhões, valor correspondente a 1,51% das exportações totais do Brasil no período. Além disso, é válido ressaltar que os aviões ocuparam a décima-quarta posição no ranking das exportações brasileiras e o terceiro lugar entre as vendas externas de produtos industrializados.

Os Estados Unidos foram o país que mais importou os aviões da brasileira Embraer, no total de US$ 1,83 bilhões.  No entanto, outro cliente importantíssimo para o Brasil foi a China, que por mais que tenha reduzido a importação dos aviões brasileiros em 2017, ainda assim investiu US$ 263 milhões na compra dos mesmos, valor que corresponde a um percentual de 9,5% dos aviões negociados pela companhia brasileira.

Para saber mais sobre a China e importação, continue ligado no blog.

 

Por Lys Brittes, diretamente de Marília, SP, Brasil

Fontes: Comex do Brasil, China Link Trading

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +