Pingyao: a cidade mais chinesa das cidades chinesas

Pingyao: a cidade mais chinesa das

cidades chinesas

visite-pingyao

Quem nunca sonhou em ser o Marty McFly e ter um DeLorean estacionado na garagem de casa, hein? Consegue imaginar que maravilha ser amigo de Facebook do Doutor Emmett Brown e poder emprestar de vez em sempre nada mais nada menos do que uma máquina do tempo? Huuummm… Espera um minuto! Que cara é essa? Se você está lendo esse post e não sabe quem são o Marty e o Doc, pode parar aqui e agora. E corre comprar a triologia “De Volta para o Futuro” nas Lojas Americanas mais próxima, pessoa estranha! Continuando, e agora falando do que mais interessa: Pingyao!

Enquanto infelizmente ainda não nos é possível viajar no tempo e ver com os nossos próprios olhos como era viver antigamente (antigamente meeesmooo e não 10, 20 anos atrás…), só nos resta visitar todos os museus interessantes que cruzarem nosso caminho e torcer para que eles consigam fazer essa ponte apropriadamente. Ou então torcer para que uma cidade-museu entre no seu roteiro mesmo que sem querer! Cidade-museu? Que raio é isso? Bom, não existe um significado oficial para essa expressão (será que fui eu quem inventou isso?), mas numa explicação boboca pode-se dizer que cidade-museu são cidades tão incríveis, tão cheias de história e cultura, que são praticamente um museu a céu aberto! Exemplo? Roma! Querem outro? Atenas! Mais um? Pingyao! Onde? Pingyao, gente, relíquia viva da China! Nunca ouviram falar nessa cidade antes, não? Ótimo! Esse então será o meu desafio de hoje: apresentar essa jóia do Oriente a vocês!

Pingyao-Rua-Principal

Pingyao é uma m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a cidade chinesa de cerca de 40 mil habitantes, localizada entre Pequim e Xi’an (a cidade dos guerreiros de terracota…). É nela que está localizada a mais bem conservada muralha de toda a China, datada do século 14. Para ser mais exata, Pingyao é a última cidade chinesa que se conserva completamente cercada por uma muralha, com cerca de dez metros de altura e 72 torres de vigilância distribuídas em mais de seis quilômetros de extensão. Lendo isso parece que a grande atração da cidade é a tal da muralha, certo? Errado! A muralha é “só” mais um detalhe! Pingyao é muito, muito mais do que isso!

Pingyao-Rua-PrincipalPingyao-Rua-Principal

Essa antiga cidade foi fundada no período do rei Xuan durante a dinastia Zhou há 2.700 anos. A história conta que a cidade é sede do governo distrital desde sempre (mais exatamente desde 221 a.C.), e até hoje mantém as estruturas arquitetônicas das dinastias Ming (1368-1644) e Qing (1616-1911). Traduzindo em miúdos, essa cidadezinha encravada no meio do nada é um dos poucos lugares onde ainda hoje é possível ser transportado ao passado e conferir de perto como eram as cidades chinesas no auge dos tempos imperiais.

Pingyao-Rua-PrincipalPingyao-Rua-Principal

Casas construídas com tijolos de barro na cor cinza (3800 cadastradas, sendo que 400 estão em seu estado original!), ruelas de paralelepípedos e centenas de luminárias vermelhas (quer coisa mais chinesa do que isso?) compõem o cenário. E apesar de vez ou outra a gente ter cruzado com um grupo de turistas barulhentos, Pingyao foi a cidade chinesa que mais nos transmitiu paz e tranquilidade.

Pingyao-Rua-Principal

Por isso foi quase impossível imaginar que tempos atrás Pingyao foi um importante entreposto comercial chinês. Dizem que a cidade floresceu bastante durante o reinado das dinastias Ming e Qing e que foi lá que a casa de câmbio Rishengchang, o primeiro banco na China contemporânea, nasceu. Ou seja, Pingyao já foi o centro financeiro da China!

Até que em meados do século XX, a cidade se acalmou. Todo esse agito infelizmente perdeu força (vulgo investimentos, empregos…), mas a cidade felizmente permaneceu intacta. E é por isso que Pingyao parece de mentira: todas as grandes construções que outrora foram importantes, hoje em dia são hotéis ou pensões com entrada pela rua, e um pátio interno (as vezes charmoso, as vezes não charmoso…), onde se localizam os quartos. Outras são comércios como restaurantes ou casas de chá.

Pingyao-Rua-PrincipalPingyao-Rua-PrincipalPingyao-Rua-Principal

Outorgada patrimônio da humanidade pela Unesco em 1997, Pingyao tem dezenas de templos confucionistas e budistas e mansões milenares super preservadas abertas ao público. A Secretaria de Turismo da cidade oferece um ticket único com validade de dois dias que dá acesso a maioria dessas atrações (são 18, além da muralha claaarooo) por 150 yuans (aproximadamente US$ 25).

Se vale a pena comprar esse joint ticket e visitar as dezenas de atrações Pingyao oferece? Minha resposta é… Não sei! Nós não compramos… E sabem por quê? Porque muito mais bonito e interessante do que qualquer templo que a gente pudesse conhecer, foi poder ter a chance de se perder nas ruelas da cidade, de conhecer onde a população vive, de comer o que eles comem, de caminhar por onde eles caminham etc etc etc. Porque Pingyao, pessoal, é uma cidade-museu no sentido mais emocionante da expressão!

Pingyao-Rua-PrincipalPingyao-Rua-PrincipalPingyao-Rua-PrincipalPingyao-Rua-Principal

Fonte: De casa para o mundo.

 

Acompanhe novidades no: www.facebook.com/ChinaLinkTrading

Se você precisar de qualquer apoio para começar a importar da China ou melhorar a sua operação aqui na Ásia, podemos apoiá-lo na busca de fábricas chinesas capazes. Nós fazemos a procura de fornecedores chineses, controle de qualidade e carregamento da carga para você em qualquer lugar na Ásia. Consulte nosso site para mais informações.


Veja Também


Deixe seu comentário