Abril 14 2017

Ópera de Pequim: Tradição Chinesa, Patrimônio da Humanidade

Posted by Camila Sakamoto

Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade, a famosa Ópera de Pequim se consagrou como destaque quando o quesito é a arte dramática na China. Com um passado de “apenas” 227  anos, sua herança cultural vem calcificando sua importância ao longo do tempo, sendo, definitivamente, uma das mais belas, impactantes e reflexivas formas de arte já produzidas pela humanidade. Venha conhecer um pouco mais sobre a fascinante Ópera de Pequim abaixo:

 

ópera de pequim

Ópera de Pequim: origem chinesa, mas um Patrimônio da Humanidade

 

O que é a Ópera de Pequim?

As óperas são consideradas o tipo de arte dramática dominante na China, e, não é à toa que acabam sendo muito reconhecidas mundo afora. Dentre elas, a considerada como a mais influente é a famosa Ópera de Pequim. A chamada Ópera de Pequim é uma forma de performance artística que mescla elementos de canto, recitação, dança, atuação,acrobacias e artes marciais.  Além disso, mímicas e muita criatividade são pontos necessários ao elenco, já que, muitas vezes, os artistas precisam descrevem ambientes, situações e emoções através apenas de gestos. O incrível aspecto visual também é um dos pontos mais fascinantes e um dos que chamam mais a atenção do público: cores vibrantes, fantasias chamativas e maquiagens bem particulares transformam os espetáculos em uma experiência única. Sua importância é tamanha que, em 2010, foi considerada pela UNESCO como Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade.

 

História

 

ópera de pequim

A origem da Ópera de Pequim teria ocorrido no ano de 1790

 

Com a China demonstrando uma História de tradições milenares, a Ópera de Pequim é consideravelmente uma tradição “jovem”.  Antes dela, existiam no país outros gêneros de ópera, que tiveram suas influências sobre a de Pequim. Acredita-se que a Ópera de Pequim tenha surgido “somente” no ano de 1790, quando quatro companhias de óperas da província de Anhui foram a Pequim para apresentações em homenagem ao 80 aniversário do imperador Qian Long. Foi a partir de 1860 que a Ópera foi se espalhando por toda a China, e já no final do século XIX, já era considerada a forma mais aclamada do país.
Pequim era a capital das artes cênicas na China, tendo sido desenvolvido um centro comercial bastante importante, dotado de teatros, casas de chás e restaurantes que abrigavam as mais variadas formas de expressão artística, e, onde a Ópera de Pequim foi ganhando cada vez mais espaço,  se tornando rapidamente uma parte integrante da cultura da cidade.
No início, os espetáculos da Ópera de Pequim eram realizados em jardins de teatro, conhecidos como “xiyuanzi”. Os espectadores sentavam-se em bancos de frente  uns aos outros e cada um pagava apenas os chás consumidos – os espetáculos eram mais uma forma de entretenimento oferecida pelo estabelecimento e cada apresentação chegava a durar até 12 horas! Essa duração longa, entretanto, acabou mudando com o passar do tempo, a partir da introdução dos teatros tradicionais, nos quais os assentos do público passavam a ser voltados para a frente do palco. Até 1931, o público ainda era dividido: os homens sentavam-se na plateia, enquanto, as mulheres, se distribuíam nas galerias ou balcões do teatro. Anos depois é que os teatros foram reformados e passaram a apresentar um modelo mais ocidental de palcos e disposição da plateia.
A Ópera de Pequim não era considerada como uma forma muito exclusiva de arte, ou seja, acabou sendo apreciada tanto pela corte imperial, quanto as pessoas “comuns”, conquistando, assim, um público muito variado, composto por diferentes classes sociais. Entretanto, no início, a diferença entre gêneros não se continha apenas nas distribuições de assentos da plateia: somente artistas masculinos eram permitidos na Ópera. As mulheres só começaram a aparecer nos palcos  a partir de 1870.

 

Apresentações

 

ópera de pequim

A caracterização, cores. objetos e instrumentos musicais utilizados têm grande significados na Ópera

 

As peças da Ópera de Pequim são classificadas em dois principais grupos: as “peças civis” (Wenxi) e as “peças marciais” (Wuxi). Nas civis, o foco são as relações entre os personagens, geralmente sendo histórias de amor e intrigas, sendo, na maioria das vezes, os papeis femininos (Dan) os de destaque. Uma das peças mais famosas dessa categoria é a ” Adeus, minha  Concubina”,   que retrata os últimos momentos de um proprietário de terras e de sua concubina preferida. Já as marciais, são mais focadas nas acrobacias e artes marciais, sendo o Sheng ( ator masculino), o Jing (cara pintada) e o Chou (palhaço) os personagens principais. A peça ” Encruzilhada” é uma das principais desse gênero, onde são encenadas lutas no escuro entre os personagens.

 

Cenário e Acessórios

ópera de pequim

Uma explosão de cores e significados

Se, inicialmente, as apresentações contavam apenas com um cenário basicamente formado por uma mesa e cadeiras,  com o tempo, ganhou outros tipos de acessórios. Geralmente as peças são encenadas com uma espécie de cortina pintada, que faz alusão a cada local particularmente retratado nas cenas. O elenco também pode utilizar variados instrumentos e objetos. E, de acordo com a posição e a interação de cada ator com os objetos, cada acessório pode ter um significado diferente nas cenas, representando desde algo concreto, como algo abstrato. Os objetos são altamente simbólicos, e, por isso, as apresentações da Ópera de Pequim são conhecidas também por exigir uma boa imaginação do público. É comum, por exemplo, que um ator, durante uma cena, interaja com um objeto inexistente, imaginário, utilizando mímicas.

 

Instrumentos Musicais

 

 

ópera de pequim

Instrumentos musicais utilizados nas peças da Ópera

As músicas da Ópera de Pequim são formadas a partir de um conjunto de músicas tradicionais, sendo o canto dividido em dois principais tipos: o “Xi Pi”, utilizado em momentos que apresentem um estado de espírito mais agitado, sentimentos como raiva ou felicidade; já o “Er Huang” é usado para expressar estados mais suaves, como sentimentos de perda, tristeza ou momentos de profunda reflexão. Diferentemente das óperas mais ocidentais, as orquestras da Ópera de Pequim estão localizadas ao lado direito do palco e não podem ser vistas pelo público. As orquestras são também divididas em dois grupos: banda civil (Wenchang) e o conjunto marcial (wuchang). A função principal do primeiro grupo é acompanhar o canto, utilizando instrumentos como jinghu (predominante), yueqin e pipa (alaúde). Já o segundo tem como principal função acompanhar os movimentos de dança e luta através de instrumentos de percussão, como tambor (predominante), cepo, matraca, gongo e o prato.

 

Personagens

Cada uma das variadas peças da Ópera de Pequim apresentam, obrigatoriamente, quatro tipos de personagens fixos, onde cada um possui uma forma própria de apresentação. São eles: Sheng (papel masculino), Dan (papel feminino), Jing (cara pintada) e Chou (palhaço). Cada personagem, por sua vez, vem dotado de maquiagens, máscaras, roupas e cantos com significados próprios, relacionados a suas respectivas personalidades e perfis dentro de cada história.

 

Sheng ( Papel Masculino)

 

ópera de pequim

Sheng, o personagem masculino principal


O chamado Sheng é o principal personagem masculino das peças da Ópera de Pequim. Ele apresenta variados subtipos, como o laosheng – papel de um personagem homem idoso; xiaosheng – personagens homens jovens, que cantam com uma voz estridente e alta;  e o wusheng – personagens que realizam números de luta, fazendo acrobacias e cantando com voz mais natural.

Dan ( Papel Feminino)

ópera de pequim

Dan : personagem feminino

 

Os papéis femininos são designados sob a denominação Dan, que, originalmente, era dividida em 5 principais subtipos: a laodan – mulher mais velha;  a wudan – mulher marcial; a daomadan- a jovem guerreira ;a qingyi – mulher virtuosa e da elite; e huadan- mulher esperta e solteira

Jing ( Cara Pintada)

 

ópera de pequim

Jing : cara pintada

O Jing é um papel que designa um personagem masculino que tem a cara pintada. Dependendo de cada peça, o Jing pode desempenhar tanto papeis secundários, quanto primários. É classificado como um personagem que gesticula exageradamente e uma voz potente. Há 15 padrões faciais considerados como básicos, com milhares de variações, sendo cada máscara específica de um dado personagem.

Chou (Palhaço)

 

ópera de pequim

Chou: o palhaço

 

O Chou é o personagem referente ao palhaço masculino, sendo, geralmente, de papel secundário nas peças, e caracterizado como divertido. As suas subdivisões seriam: wenchou – função civil e wuchou – um lutador marcial menor.

 

Maquiagem

Um aspecto considerado como um dos mais chamativos da Ópera de Pequim é a caracterização dos personagens, envolvendo figurinos e maquiagens elaboradas e coloridas, dotados de ricos detalhes e significados particulares. Os personagens Dan e Sheng são considerados como envolvendo uma caracterização ” mais simples”, basicamente envolvendo uma maquiagem com uma pele branca, olhos e sobrancelhas marcados com tinta preta e lábios com cores destacadas.  Já os Jing e Chou têm uma preparação mais complexa: cada traço é determinado de acordo com o personagem. Existiriam mais de 20 tipos de sobrancelhas e cada cor utilizada tanto em maquiagens, quanto em máscaras, tem seu significado específico, que retraria cada personalidade do personagem.

 

ópera de pequim

As cores e formatos utilizados nas maquiagens têm diferentes significados

– Vermelho:  honestidade; lealdade
– Preto: caráter rude; franco
–  Azul: bravura; orgulho; lealdade
– Verde: impulsividade; violento
– Amarelo: ambição
– Branco: traição; diabólico

Uma Tradição em Declínio?

Mesmo a Ópera de Pequim continuando com sua fama nacional e internacional, nos últimos anos, especialistas apontam uma maior preocupação com o interesse da população chinesa por uma das mais aclamadas formas artísticas de sua cultura.  Vem sendo percebido, principalmente nas últimas décadas, um declínio de audiência quando o quesito é entretenimento. Seria evidente que o clamor pela Ópera de Pequim nos dias atuais na China não vem apresentando o mesmo furor dos séculos XVIII e XX, mas é ainda muito prematuro afirmar que essa preciosa tradição se estagnará como uma antiguidade cultural.
A Ópera de Pequim havia sido abalada anteriormente, durante o período conhecido como Revolução Cultural ( 1966-1976), quando foi associada a uma imagem feudalista e reacionária. Mas, mesmo assim, depois foi alçada novamente com maestria, sendo colocada sob destaque sobre as muitas outras formas de manifestações culturais e de arte, como, inclusive, superando em importância as músicas ocidentais e tipos de dança mais modernos pela população chinesa.
Atualmente, a Ópera de Pequim passa sim por algumas dificuldades, muito pautadas no envelhecimento do seu público mais conhecedor de suas particularidades. Segundo Liu Hua, artista aposentado e professor da Academia Nacional de Artes Teatrais da China: ” Quanto mais você conhece sobre a Ópera de Pequim, mais você irá amá-la.  O problema é que leva um pouco de tempo para conhecê-la, e cada vez menos pessoas têm tempo ou essa propensão”.

 

ópera de pequim

Crianças se interessam em se tornar um artista da Ópera de Pequim

Além da audiência, a altamente exigente preparação de artistas capazes de realizar as performances da Ópera de Pequim é vista como uma dificuldade a mais. São previstos cerca de 8 a 10 anos de estudo para uma pessoa ser considerada apta a se apresentar em peças da Ópera.  Mesmo assim, está sendo percebido um interesse muito grande das crianças chinesas em iniciar seus estudos na área. Por envolver estudos em performance, canto e artes marciais, por exemplo, muitos dos alunos que se preparam para a Ópera de Pequim acabam também tendo maior facilidade em se tornarem cantores a atores famosos no cinema.
O Ministério da Cultura e governo chinês vêm, nos últimos anos, tentando apresentar formas de incentivo para a aumentar a audiência e manter cada vez mais vívida essa importante herança cultural que é a Ópera de Pequim, como reformando teatros e comissionando novos trabalhos.

 

ópera de pequim

Um patrimônio da humanidade indestrutível

O fato é que, mesmo com as mudanças tecnológicas e de comportamento da audiência chinesa nos últimos anos, a Ópera de Pequim é tão importante e tão única, que um declínio nunca deverá ser, realmente, algo permanente e abalador de sua relevância cultural. Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade, o título dado pela UNESCO sintetiza sua importância: a Ópera de Pequim sempre será indestrutível.

 

Onde assistir?

Se estiver planejando ir à China, você não pode deixar de assistir a uma peça da Ópera de Pequim. Mesmo com tal nome, ela é praticada amplamente no país ( e até internacionalmente), destacando Tianjin e Shanghai. Mas, o principal centro das mais cultuadas apresentações da Ópera de Pequim localiza-se na capital homônima do país.
Assim, a seguir, listamos alguns dos mais importantes endereços para apreciar espetáculos dessa forma artística tão única em sua localização natal, Pequim:

ópera de pequim

Zhengyici Theater, em Pequim

 

Chang’an Grand Theater: duas performances diárias.

Chaoyang Theater : variadas performances diárias, apresenta muitos turistas estrangeiros na plateia

Huguang Guild Hall: considerado um dos mais belos teatros da capital chinesa, também tem um pequeno museu sobre a Ópera de Pequim

Zhengyici Theater : o mais antigo teatro de madeira do país, surpreende também pela beleza. É considerado por muitos como o melhor local para se assistira a um espetáculo da Ópera de Pequim.

 

E aí, impressionado com a beleza e riqueza cultural única da Ópera de Pequim?

 

Fontes: The New York Times, Peking Opera, UNESCO, China na Minha Vida, Folha de São Paulo, Viagem Editora Abril

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | TwitterGoogle +