Maio 29 2018

Mulan: uma aula de cultura chinesa imperial

Posted by Victor Fumoto

Os filmes da Disney, e, principalmente, de suas princesas, são clássicos para a maioria dos nascidos a partir da década de 70 e têm influenciado gerações desde então. Os filmes são famosos por fazer nossa imaginação fluir com histórias de épocas tão distante para nós. Muitos deles têm aspectos históricos em seus roteiros que passam despercebidos aos nossos olhos, que é o caso, por exemplo, do filme Mulan, o qual se passa durante a invasão dos Hunos no território que hoje é considerado China, durante a Dinastia Han (206 a.C a 220 d.C).

 

 

Mulan e outras “princesas estrangeiras”

Para tamanho sucesso mundial e atemporal, a Disney aumenta cada vez mais sua gama de personagens e busca também maior representatividade, uma vez que seu público deixou de ser majoritariamente estadunidense há um bom tempo. Com personagens de diversas regiões do globo, os fãs de regiões distantes se sentem mais representados e inseridos nessa cultura infantil de massa. Personagens mais clássicas como Branca de Neve, Bela Adormecida e Rapunzel são originárias da Alemanha, e outras como Bela e Cinderela, são da França; o que mostra a forte influência dos contos medievais europeus nos filmes da Disney. Mulan, ao lado de Jasmine, representa, entre as princesas mais clássicas, uma das poucas de origem não-europeia. Ao longo dos anos, foram adicionadas à lista princesas de regiões diversas como Moana, que representa as tribos polinésias das ilhas do Pacífico, e Tiana, que é de Nova Orleans, nos Estados Unidos.

A história de Mulan, uma mulher lendária da história chinesa, é um símbolo importante da força feminina na história de um país que tem como tradição submeter mulheres à posições inferiores na sociedade. Apesar de a história real não ser exatamente como a mostrada no filme e, por vezes, até mais interessante, o contexto histórico e toda a ambientação cultural do filme foi fiel à realidade. Vemos, a seguir, os aspectos culturais da China imperial presentes nas cenas dessa animação clássica.

 

Casamenteiras, chás e “religião”

Como é mostrado numa das primeiras cenas do filme, era comum que, ao atingir a maturidade, as moças da aldeia se apresentassem para a casamenteira, mostrando seus dotes de esposa como bordar e servir chá. As casamenteiras são personagens comuns em óperas chinesas e também em teatros, pois frequentemente estavam envolvidas em tudo o que ocorria na aldeia, sempre com seus longos cachimbos, escolhendo os futuros casais a serem formados.

O chá é uma grande, senão uma das maiores, características da cultura chinesa, não só pelo costume do seu consumo ao longo do dia e também em reuniões familiares, pois representa parte importante da conhecida e milenar medicina chinesa. A prática de servir chá é antiga e possui determinados utensílios para cada função, além da “coreografia gestual” envolvida no processo, que deve ser graciosa e precisa. A maneira como a xícara deve ser segurada com as mãos é determinada, segundo a tradição, pelo sexo da pessoa. As mulheres devem segurá-la apenas com o dedo indicador e o dedão, sendo essa posição denominada “fênix” (animal de grande importância na cultura chinesa, assim como o dragão) e os homens devem segurá-la com todos os dedos juntos, na posição “dragão”. 

O conceito de religião tal como o compreendemos é ocidentalizada, o que pode ocasionar confusão aos ocidentais que têm contato com a “religião chinesa” pela primeira vez. Os chineses raramente dão um nome para sua “religião” e não possuem um Deus, da maneira que estamos acostumados com o Cristianismo. Costumam praticar valores milenares escritos por mestres filósofos como Confúcio e Lao Zi, fundadores do confucionismo e taoísmo, ambos conjuntos de pensamentos que buscam compreender e agir de acordo com o funcionamento do universo, preservando a honra do indivíduo e de sua comunidade. No filme, essa religião é representada pela fé da personagem nos seus ancestrais, simbolizados pela sua espada, assim como na história original de Mulan, que a guiam em seus momentos mais decisivos.

 

A Grande Muralha

Toda a trama gira em torno da invasão dos Hunos no território hoje conhecido como China. A Grande Muralha foi construída para proteger os Estados e impérios chineses das recorrentes invasões dos povos nômades, principalmente os mongóis. Além disso, a Muralha de mais de 20 quilômetros de extensão possuía funções fronteiriças, como regulamento das mercadorias. Para sinalizar as invasões, eram acesas tochas nos topos das bases espalhadas ao comprimento da muralha, o que fazia com que a informação sobre a invasão se espalhasse rápido, para que os combatentes pudessem se preparar para defender o território do império chinês. No filme, quando os Hunos sobem a Muralha e as tochas são acesas, é dito “agora a China toda sabe que estão aqui”.

 

Dragão e Grilo

 

 

Como toda grande heroína, Mulan possui seus amigos fiéis e companheiros; no caso o dragão Mushu, que representa a força de seus ancestrais, e o grilo, que supostamente a trará boa sorte. A importância do dragão na cultura chinesa é milenar e ele simboliza a sabedoria, o império, uma mistura de vários animais e a qualidade de cada um deles e tem seu correspondente o conceito de yang (masculino). O dragão, na época da China imperial, representava a soberania do imperador e está presente também em outras diversas culturas asiáticas, e é também conhecido pelos ocidentais como “dragão oriental”.

Já o grilo, que é mostrado como um animal de estimação, é, além de lutador, devido a um curioso costume chinês, um dos insetos acolhidos pela cultura chinesa dentro de sua vida doméstica, graças ao som melódico que produz. O grilo, além de pertencer à culinária chinesa exótica, é tido como animal de estimação por representar sorte e virtude, que é justamente o que a avó de Mulan desejou a ela quando lhe deu o grilo na gaiola de bambu.

Este clássico do cinema tem uma nova versão em live action marcada para lançar no final de 2018 e estrelando uma famosa atriz chinesa, Liu Yifei.

E aí, gostou? Continue ligado no blog!

Por Mariana M. Fidalgo, diretamente de Marília, SP – Brasil

Fontes: China Link Trading; Portal IG

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +