Outubro 02 2018

A estratégia chinesa por trás dos famosos mercados de 1,99

Posted by Victor Fumoto

Há um pouco mais de uma década atrás surgiram por todo o país lojinhas em que você podia encontrar de tudo: desde potes plásticos para geladeira, flores artificiais, material escolar, fraldas descartáveis, lembrancinhas de todos os tipos, presentes para aquela confraternização chata de amigo secreto na empresa, pratos, copos ou talheres, pilhas para o controle remoto, e “tudo isso por apenas R$1,99”. Os famosos mercados de 1,99 viraram febre no Brasil, principalmente nas últimas décadas, mas o que poucas pessoas sabem, talvez por uma concepção errada de que estas lojas são de baixa qualidade ou desinteressantes pela sua simplicidade, é que existe uma grande complexidade teórica aos assuntos econômicos, digna de diversos estudos, justamente por adotarem uma estratégia de mercado única que foi incorporada pela China e que demonstra que muitas vezes as ações mais arrojadas e “simples”, são justamente o que um negócio precisa para sobreviver.

 

Mercados de 1,99

A inauguração do Supermercado da China começou em 13 de abril com uma cerimônia de inauguração e uma tradicional dança do leão – Image by Milwaukee.

 

Como funciona a estratégia dos mercados de 1,99

É possível perceber, mesmo hoje em dia, uma espécie de fórmula de rendimento financeiro quando encaramos a estratégia adotada por estes famosos mercados de 1,99 que foram amplamente copiados por todo o mundo depois da China usá-la como usou. A estratégia chinesa de abertura nos mercados a partir de produtos de baixos custos em grandes volumes possibilitou ao país um rápido avanço em diferentes âmbitos ainda mais sofisticados, mas tal estratégia foi primeiramente trilhada pelo Japão, seguidos mais tarde pelos chamados Tigres Asiáticos que correspondem a países como a Coreia do Sul e Cingapura, mas isso não tira o mérito que o país mais populoso do mundo incorporou tal esquema comercial de forma muito mais ampla, uma vez que a China detinha um poder de produção muito maior justamente pela vasta mão de obra chinesa. De fato, a estratégia dos mercados de 1,99 foi exatamente o que a China incorporou em sua guinada ao mundo como uma grande potência comercial baseada no desenvolvimento direto da economia doméstica voltada para exportações, que posteriormente seria abandonado, após um acúmulo de capital, partindo para a concentração em itens que incorporam em si muito mais tecnologia. Da mesma forma que podemos evidenciar com as famosas lojinhas de 1,99, podemos perceber que os preços foram aumentando dos R$1,99 e passando a vender artigos com maior durabilidade do que os que tínhamos antigamente, aumentando conjuntamente para produtos vendidos a R$3,99 ou mesmo R$5,99.

 

Mercados de 1,99

Image by April Maura.

 

O marketing como aliado

Além desta estratégia atacadista incorporada tanto pela China quanto pelos mercados de 1,99 existem alguns conceitos, puramente de marketing, que se mostram imodificáveis aos vendedores e estão justamente nos números após a virgula. Já é extremamente comum, em qualquer mercado que vamos, deixar alguns centavos para trás nos produtos que pagamos, pois esses geralmente estão tabelados com valores não inteiros, como o próprio 1,99. Embora possa parecer uma simples estratégia de lucrar nestas pequenas subunidades, há por trás desta estratégia uma grande tática de venda a partir destes “troquinhos”, segundo o pesquisador Lee E. Hibbett, professor de marketing da Freed-Hardeman University do Tennessee. Para o pesquisador, tudo se estabelece a partir de uma questão de leitura explicando que, como a ordem em que lemos segue da esquerda para a direita, o primeiro número nos chama mais atenção e é por isso que se você vê um produto pelo famoso preço R$3,99 e outro por R$ 4,00, a tendência mais natural do cérebro é a de preferir o primeiro, uma vez que essa seria a nossa tentativa de diminuir os esforços em comparar preços, assim, quando nos aparece um produto com o valor cheio, descartamos os decimais e pronto, levamos o produto. Outra possibilidade de estratégia de marketing é justamente passar a impressão ao consumidor de que um produto com o final 0,99 está em promoção, mesmo que a diferença não seja tão significativa, fazendo-nos acreditar que estamos recebendo um ótimo desconto. Até mesmo grandes marcas americanas como J. Crew e Ralph Lauren usam desta tática. Quando as roupas são de uma coleção nova, essas ganham um valor numérico inteiro; posteriormente, as mesmas peças recebem algum desconto e juntamente com este desconto é colocado ao preço termina o famoso 0,99. O mesmo serve para passar a mensagem inversa. Muitas lojas, principalmente as que se voltam para um público que se julga “mais elitizado”, evitam colocar estes centavos em seus preços para não causar a impressão de serem “baratas”, pois isso associaria seus produtos a outros de menor qualidade. Independente de como é usada, tal técnica de marketing faz com que se renda muito dinheiro através dos centavos que são “deixados pra lá” no troco, promovendo cada vez mais o sucesso dos famosos mercados de 1,99.

 

Mercados de 1,99

Image by CFA Institute.

 

Alguns dos principais fornecedores chineses

Para aqueles que pretendem utilizar da mesma estratégia chinesa e montar seu próprio mercado de 1,99, algumas dicas e referências ofereceram uma melhor forma de importação das suas mercadorias. A China é, com certeza, o local ideal para se comprar esse tipo de mercadoria, uma vez que é justamente lá que você encontrará os melhores preços, mas ainda assim surgirão alguns problemas que basicamente tangem em encontrar os melhores fornecedores, mesmo estando do outro lado do mundo. Sites como Aliexpress possuem milhares de fornecedores diferentes e por esta causa a confiabilidade dos produtos tende a diminuir, principalmente em compras de larga escala.  A recomendação é procurar pelas grandes lojas chinesas que são praticamente isentas de qualquer risco e geralmente oferecem frete grátis para qualquer valor de mercadoria. Algumas vezes podemos até estar pagando um pouco mais caro nestas lojas, mas a segurança e a qualidade do atendimento serão um adicional para sua importação. Abaixo citarei alguns dos bons exemplos de lojas que apresentam uma grande confiabilidade:

  • A Tinydeal é uma das grandes lojas chinesas, eles aceitam Paypal e vendem todo tipo de mercadoria barata com frete grátis para o Brasil, além de ser possível comprar praticamente todo tipo de mercadorias. Eles fazem também envios na modalidade drop shipping para quem deseja fazer esse tipo de envio.
  • Outra das boas opções é a Deal Extreme ou DX que é simplesmente a mais popular loja chinesa, e não é sem motivos. Igualmente a Tinydeal, a DX envia qualquer mercadoria com frete grátis para qualquer lugar do mundo, existe a opção de usar preços BulkRate para maiores quantidades que acabam gerando uma boa economia, sendo um excelente lugar para se comprar e aceitando várias formas de pagamento, incluindo, também, o Paypal.
  • Juntamente com as outras duas lojas anteriores a Focalprice não fica atrás em momento algum no ramo das lojas chinesas de produtos de baixo valor, possuindo opções de envio por drop shipping e frete gratuito para qualquer lugar do mundo, produtos eletrônicos, roupas, brinquedos entre muitos outros, além de também aceitarem diversas formas de pagamento, como o Paypal.

 

Aposto que você tinha uma concepção completamente diferente dos mercados de 1,99. Comente logo abaixo o que você achou de todo este conceito!

 

Por Lucas Fortes Mulati, diretamente de Marília, SP, Brasil

Fontes: OTempo, HypeScience, SobraDeEstoque

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +