iPhone 7 pode causar demissão na China

Uma empresa na cidade chinesa de Nanyang, na província de Henan, soltou um comunicado no dia 18 de Setembro em que proibia seus funcionários de comprar o recém-lançado iPhone 7 ou o iPhone 7 Plus. Segundo a nova política da empresa, caso algum funcionário adquirisse as novidades da norte-americana Apple, seria forçado a se desligar de seu emprego na empresa.

 

iPhone 7
iPhone 7, recentemente lançado, é centro de polêmicas na China

 

A polêmica nota sobre o iPhone 7

O comunicado dizia:

“De acordo com as ordens do nosso diretor, todos os funcionários estão estritamente proibidos de comprar e usar o iPhone 7 e o iPhone 7 Plus. Qualquer um que for encontrado desobedecendo essa ordem deve, imediatamente, se desligar da empresa. Queridos colegas, se sua condição financeira é boa e lhes permite comprar tais produtos, por favor, utilizemos esse dinheiro para cuidar melhor da saúde de nossos pais, para nos preocupar mais com a criação e o crescimento de nossos filhos, para nos preocuparmos mais com a preciosidade de nossas vidas e nos envolvermos mais no bem estar de nosso país. Somente através dessas ações é que podemos garantir nossa prosperidade e felicidade. Não gastem seus esforços em produtos de luxo que apenas irão prejudicar seus orçamentos. Hoje é dia 18 de Setembro, um dia que nenhum cidadão chinês jamais esquecerá. Nunca se esqueçam de nossa humilhação nacional e certifiquem-se de lembrarem sempre de nossa história. Boicotar produtos estrangeiros precisa começar com você”.

 

iPhone 7
Comunicado proibindo iPhone 7 em empresa chinesa

 

Um funcionário da empresa confirmou que o diretor da companhia escreveu, de fato, o comunicado, mas que as ordens tinham como objetivo valorizar os valores familiares e nacionais ao fomentar o boicote ao consumismo, principalmente de produtos norte-americanos e japoneses. Segundo esse mesmo funcionário, se um dos membros da empresa já tivesse adquirido o novo iPhone 7, provavelmente não seria despedido.

 

iPhone 7
Loja da Apple na China

Não há, até o momento, indícios ou provas de que a empresa tenha demitido algum de seus colaboradores por esse motivo. Sabe-se, apenas, que a nota está sendo bastante discutida, não só por funcionários, mas também pela própria diretoria.

 

A repercussão

Segundo a própria empresa, a nota tem cunho patriótico e seu objetivo é fomentar o consumo de produtos nacionais, além de evitar que seus funcionários tornem-se muito materialistas. No entanto, logo após uma foto do comunicado ser divulgada nas redes sociais chinesas, iniciou-se um grande debate sobre a legalidade de tais ordens. Muitas pessoas expressaram apoio à medida da empresa, enquanto outras alegam que tais medidas ferem as leis trabalhistas da China.

 

iPhone 7
Alguns funcionários chineses devem ter que devolver seus aparelhos nas lojas da Apple

 

Alguns usuários do Weibo têm apontado que o boicote ao iPhone 7 pode ser contra produtivo para a economia nacional, uma vez que a produção da Apple é realizada em fábricas da Foxconn, com base na China. Outros usuários afirmam que a empresa Foxconn pode entrar em colapso e milhares de trabalhadores podem perder seus empregos, sem contar os danos financeiros aos fornecedores nacionais de peças.

 

A importância da data na China

Não por coincidência, o comunicado da empresa de Nanyang foi publicado no dia 18 de Setembro, quando a China se lembra do 85º aniversário do Incidente de Mukden, também conhecido como Incidente da Manchúria.

 

iPhone 7
Tropas japonesas invadindo a cidade de Shenyang no Incidente de Mukden em 18 de Setembro de 1931

 

No dia 18 de Setembro de 1931, militares japoneses explodiram uma linha ferroviária em uma área de propriedade do Japão, no sul da Manchúria, perto da cidade de Mukden (hoje Shenyang). O Exército Imperial Japonês acusou, então, dissidentes chineses da explosão e tal acontecimento foi usado pelo Japão como pretexto para a invasão e anexação da Manchúria. Esse incidente representa um marco da, até então não declarada, Segunda Guerra Sino-Japonesa, que só a partir de 1937, com o Incidente da Ponte Marco Polo, aconteceria de forma aberta e declarada entre as duas nações. A sabotagem japonesa, que deu início à invasão da China pelo Japão por 14 anos, é relembrada todo 18 de Setembro.

 

Caso isolado?

 

iPhone 7
Comunicado no Hospital Ginecológico proibindo seus funcionários de comprar o iPhone 7

 

Algumas semanas depois do acontecido em Nanyang, alguns usuários do Weibo compartilharam uma foto de um comunicado publicado pelo Hospital Ginecológico Fuling Xinjiuzhou, na cidade de Chongqing, que avisava que seus funcionários estavam proibidos de comprar o iPhone 7 e o iPhone 7 Plus. O anúncio também declara que qualquer um que não obedeça a tais ordens será desclassificado de receber a nota máxima em sua avaliação de pessoal, além de ser encorajado a devolver o celular à loja.

A nota dizia:

“O iPhone 7 foi recentemente lançado no mercado e seu preço já é um recorde entre os celulares similares. Com o intuito de promover a poupança e evitar o desperdício, o escritório de administração do hospital tomou uma decisão: Proibimos nossa equipe de comprar o iPhone 7 e o iPhone 7 Plus”.

O gerente do hospital disse à BBC que tomou tal decisão após um de seus funcionários comprar um iPhone 7, mesmo que o celular custasse três vezes mais que seu pagamento mensal. Segundo o mesmo, ele não gosta de ver seus funcionários ganhando dívidas com o banco ou com amigos e família para comprar produtos que obviamente não têm condições financeiras de adquirir. Ele ainda afirma que possuir um iPhone 7 não interfere no desempenho profissional de ninguém, mas que ele deseja promover, entre seus funcionários, valores como diligência e simplicidade; valores, segundo ele, do próprio hospital.

 

iPhone 7
Mar do Sul da China que estava em disputa no Tribunal Internacional de Haia entre China e Filipinas

 

Alguns nacionalistas têm, ainda, utilizado o lançamento da Apple como alvo para demonstrar seu descontentamento em relação a uma decisão do Tribunal Internacional de Haia que foi contra as reivindicações chinesas de direito ao Mar da China, também conhecido como Mar do Sul da China. Nesse caso, o presidente dos EUA, Barack Obama, apelou para que a China respeitasse a decisão que faz parte de uma longa disputa com as Filipinas.

E você? O que acha da polêmica chinesa envolvendo o iPhone 7?

 

Por Ana Yamashita, diretamente de Americana, SP, Brasil

 Fontes: International Business Times; Shangaiist; China.org.cn; Nanfang.com; BBC

Gostou desse artigo? Então veja muito mais em nossa página do Facebook, em nosso blog e em nosso site

 


Veja Também


Deixe seu comentário