Insights do mercado online da China em 2013 – China Link Blog de Importação

Durante anos, Hugo Barra foi reconhecido mundialmente em apresentações anuais mostrando os novos recursos do sistema Android da Google. Com o cargo de gerente de produto em uma empresa que todo mundo quer trabalhar, quem iria imaginar que ele pediria demissão para trabalhar em uma empresa chinesa?

Em agosto de 2013, Hugo deixou o comando do Android para ser o novo CEO da empresa chinesa Xiaomi e, em dezembro, deu sua primeira entrevista para o programa Leweb. Poderíamos exemplificar esta escala com uma frase de Jim O’Neill, economista da Goldman Sachs que disse: “A China cria uma Grécia em 12,5 semanas e, desde 2010, criou uma Índia. As pessoas ainda não entenderam o tamanho da escala deste país”. Veja só alguns pontos com fotos que preparei para vocês entenderem a ‘pequena escala’ da China:

 

hugobarra02Este é Hugo Barra durante entrevista no programa Leweb em Paris.

 

hugobarra04

Hugo era o executivo chefe do produto Android no Google e apresentava sempre os produtos pessoalmente para o mundo todo.

 

xiaomi-keynote-presentation-6

Em agosto, Hugo deixou a empresa Google para trabalhar para o “Steve Jobs chinês” e CEO da empresa chinesa Xiaomi.

 

hugobarra03

Depois de mais de dois meses sem aparecer na mídia, Hugo revela impressões sobre a China na conferência em Paris onde revelou que não imaginava a escala desproporcional do país.

 

xiaomi01

Claro que quantidade não é qualidade, mas Hugo mostra que na China mais de 8 milhões de estudantes se formam nas faculdades anualmente. Este número já supera muito os Estados Unidos e nosso Brasil, é claro, passa longe.

 

xiaomi02

É claro que estamos “satisfeitos” com o crescimento da classe média do Brasil, mas repare que a renda disponível média na China TRIPLICOU nos últimos 8 anos.

 

xiaomi03

A China já é segundo na lista em quantidade de bilionários no mundo com 122 nomes. Perde apenas para os Estados Unidos com 422 na lista (até quando?). No Brasil, estamos empatados com a Inglaterra com 37 nomes na lista.

 

xiaomi04

Este é o número de usuários de internet na China. Os números já cresceram 50% em 3 anos. Imagine sua loja online com esse número de pessoas para comprar.

 

xiaomi05

Veja alguns números de IPOs de empresas que entraram na bolsa chinesa. Detalhe que a empresa Qunar.com (similar ao site decolar.com no Brasil) foi a primeira empresa não fundada por um chinês a ter um IPO na bolsa chinesa.

 

xiaomi06

Repare que dos TOP 10 aplicativos para Android e Apple na China, todos foram desenvolvidos por empresas chinesas (e 5 aplicativos desta lista pertencem à Tencent,  uma das maiores emersas do segmento na China). Exemplos:

  • O Qzone, plataforma de jogos e relacionamentos,  tem uma base de 600 milhões de usuários ativos mensalmente.
  • O QQ, uma espécie de MSN chinês, tem 500 milhões de usuários ativos mensalmente.
  • A China também tem um browser próprio, o UC Browser, que já possui mais de 200 milhões de usuários ativos mensais.

 

xiaomi13

O Wechat, minha ferramenta favorita, é a plataforma social que eu mais utilizo atualmente, uma mistura de Whatsapp, Instagram e Nextel, usando plano de dados. Já tem 271 milhões de usuários ativos mensalmente.

Também é possível integrar o Wechat com seu cartão do banco e ter acesso a descontos em estabelecimentos comerciais cadastrados, como McDonalds, Starbucks e outros. Hugo Barra menciona que em uma campanha da empresa em que trabalha, a Xiaomi, eles venderam 150.000 aparelhos de celular nos primeiros 10 minutos através do aplicativo. 

 

xiaomi07

Imagine a possibilidade de comprar TUDO online em um site: móveis, reforma da sua casa, brinquedos, eletrônicos, roupas, etc. Eu particularmente teria dificuldades em não encontrar algo no Taobao (site de compras similar ao modelo comercial do Ebay). Quer saber o tamanho deste monstro? Imagine somar o Ebay com o Amazon, agora multiplique por dois! Este são os números do Taobao.

 

xiaomi08

Na China existe o dia do solteiro, onde as pessoas deixam de lado aquele sonho antigo de encontrar a alma gêmea e celebram comprando um presente para si mesmo. Nesta última data em 2013, o site Taobao vendeu mais de 5.75 bilhões de dólares. Só para efeito comparativo, a Cyber Monday nos Estados Unidos vendeu “apenas” 2 bilhões de dólares.

 

xiaomi09

Imagine um site que entrega um produto em 3 horas. Parece conceito de pizzaria, mas isso já uma realidade no site JD, onde você compra um produto e recebe no máximo, no dia seguinte. Imagine-se comprando um eletrônico ou uma peça de roupa pela manhã e recebendo no final da tarde. Parece mentira, não? Você ainda pode escolher a forma de pagamento quando receber o produto, entre cartão de crédito, débito, ou como em uma entrega de pizza, pagar com dinheiro…

 

xiaomi10

Abaixo você pode ver o rastreamento da entrega: com o aplicativo no instalado no celular você consegue saber onde o ‘carteiro’ está em tempo REAL até chegar na sua casa. Alguém poderia sugerir isso para os Correios aí no Brasil, não é? Afinal eles cobram quase 10 vezes mais que os preços praticados na China, e demoram quase isso quando comparados também com a China.

 

xiaomi11

Alipay é a empresa dona do Taobao que fornece soluções em pagamentos online. Pense no Brasil como o Pagseguro, Moip ou o já internacionalmente conhecido, Paypal. Vamos comparar? O Paypal realizou 180 bilhões de dólares em operações em 2013; já o Alipay está em uma corrida para chegar no primeiro trilhão, sim com “T” mesmo! A escala na China está chegando aos 13 dígitos.

 

xiaomi12

Vocês já sabem que o Facebook é proibido na China, certo? Aqui os chineses usam uma rede social similar ao Twitter, chamada Weibo. Um exemplo da proporção dessa rede social chinesa é quando Hugo Barra menciona na entrevista citada acima que demorou anos de post diários para chegar nos 6.000 seguidores no Twitter e 40.000 no Google Plus. Quando criou seu Weibo, em apenas dois meses na China, ele atingiu a marca de 200.000 seguidores. Ele também comenta que 100% do marketing da empresa Xiaomi vem de redes sociais.

 

xiaomi15

Saindo um pouco do paradigma que os chineses costumam copiar, eis aqui um exemplo inovador de um aplicativo que usa GPS e um controle em tempo real para chamar táxis pelo celular, o Didi.

Pode parecer que isso não é novidade, mas na China, o modelo de ruas e nomes presentes no país é diferente, o que não facilita a explicação de onde você vai para o motorista. O aplicativo tem uma função onde você pode gravar uma mensagem explicando como chegar no local de destino para facilitar a comunicação entre você e o motorista. O usuário tem opção de oferecer uma pequena gorjeta para “motivar” o táxi a chegar mais rápido até ele.

 

xiaomi17

Outro aplicativo baseado no GPS e posição real, só que ao invés de táxis, ele mostra as pessoas que estão próximas a você. Você pode filtrar por sexo, último horário de acesso e ver com foto quais são outros usuários próximos e o quão próximos eles estão. O software foi desenvolvido com o objetivo de facilitar  novas amizades e conhecer novas pessoas, mais de 100 milhões de usuários ativos mensalmente.

 

xiaomi19

Na China apenas a Apple store funciona normalmente, já que passa pelo filtro do governo em quais aplicativos podem ou não serem comercializados no país. Isto faz com que o mercado de aplicativos Google Play não funcione na China, o que abriu muito espaço para outras centenas de sites de aplicativos para Android e outras plataformas para celulares. Um exemplo disso é um site chamado 91, que foi adquirido recentemente pelo ‘Google chinês’ Baidu por 1 bilhão de dólares.

 

Cada vez mais estamos recebendo propostas de empresas que querem comercializar seus produtos aqui e nos contratam para assessorar na entrada no mercado chinês. A importação para o Brasil, pesquisa de fornecedores e fábricas chinesas continua aumentando, mas vale a pena empresas de médio porte que querem vender para a Ásia começar a agir logo, pois as regras e processos estão ficando cada vez mais complexas e a fresta cada vez mais estreita.

Prepare também o ‘bolso’ ou caixa da empresa, pois não é mais do interesse da China empresas que querem começar aos poucos ou querem primeiramente sentir o mercado chinês. As políticas de abertura de empresa na China estão demandando um investimento maior e capital social que impede os pequenos de entrarem.

Espero que tenham gostado destes insights, eles surgiram da entrevista com o Hugo Barra no programa Leweb de Loic Le Meur, fique a vontade para comentar aqui no Blog ou em nossa página do Facebook. Você pode acessar o site da China Link aqui e o vídeo da entrevista em inglês aqui.

 

 


Veja Também


Deixe seu comentário