September 22 2017

Equipamentos médicos da China: tudo o que você precisa saber para importar!

Posted by Ana Yamashita

A área da saúde é um dos setores mais importantes para qualquer país. Entretanto, a autossuficiência de equipamentos e remédios nem sempre é uma realidade. No caso do Brasil, a defasagem tecnológica de equipamentos médicos e odontológicos faz com que o país dependa da importação de produtos estrangeiros. Enquanto isso, a China tem expandido seu mercado nesta área de saúde, investido em patentes e qualidade, e, por isso, tem sido um parceiro fundamental do Brasil neste setor.

 

equipamentos médicos

 

O Brasil e a China na indústria de produtos médicos

No Brasil, a indústria de produtos médicos surgiu na década de 50 e atingiu seu ápice nos anos 70. As transformações no cenário internacional e doméstico fizeram com que o país chegasse nessas últimas décadas dependendo fortemente da importação desses equipamentos, sobretudo, aqueles em que são necessários maiores recursos tecnológicos. Tanto a rede pública, quanto a privada, optam, constantemente, pela importação desses produtos, visto que a competitividade das multinacionais oferece produtos mais baratos e, por vezes, inovadores.

De forma geral, os produtos médicos podem ser classificados em “de alta tecnologia agregada” e “produtos convencionais”. A primeira categoria engloba aqueles produtos que requerem maiores pesquisas e tecnologia, pois são mais sofisticados, enquanto que os segundos são mais simples, tais como seringas, gazes etc. O Brasil tem se dedicado, especialmente, à produção dessa segunda linha de produtos médicos. Entretanto, países como a China têm ganhado maior espaço.

A grande diferença entre Brasil e China é que neste último há diversas questões institucionais, tais como a fraqueza na legislação trabalhista e os baixos padrões de regulação sanitária, que fazem com que a China produza com menor custo e ofereça preços muito mais competitivos no mercado internacional. No entanto, a realidade chinesa vem mudando. A China vem investindo em patentes e na qualidade de seus produtos. Mesmo assim, os produtos chineses ainda são muito vantajosos, e, por isso, cada vez mais os brasileiros têm recorrido aos equipamentos médicos produzidos internacionalmente.

 

Sob anuência da Vigilância Sanitária

A grande questão de se importar produtos médicos é certificar, acima de tudo, o cumprimento das exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a ANVISA. Compreende equipamentos médicos para a Agência, “todos os equipamentos de uso em saúde com finalidade médica, odontológica, laboratorial ou fisioterápica, utilizados direta ou indiretamente para diagnóstico, terapia, reabilitação ou monitorização de seres humanos e, ainda, os com finalidade de embelezamento e estética”, segundo o manual para regularização de equipamentos médicos da mesma.

A Anvisa, vinculada ao Ministério da Saúde, prevê a proteção da saúde da população, tendo como objetivo principal a fiscalização e controle sanitário de produtos e serviços, sejam eles nacionais ou importados. A agência classifica equipamentos médicos na categoria de produtos para a saúde e ranqueia em quatro diferentes classes conforme o nível de risco. Dependendo da finalidade e indicação de uso do produto, há regras específicas estabelecidas pela Anvisa. Ainda assim, independente da periculosidade, para importar qualquer equipamento médico é necessário ter anuência da Anvisa. Portanto, segundo a Resolução da Diretoria Colegiada RCD nº 81 de 05/11/2008, é obrigatório que todos os produtos estejam completamente regularizados quanto ao registro, cadastro e quaisquer formas exigidas pela Agência.

 

equipamentos médicos

Antes de buscar no mercado internacional qualquer tipo de equipamento médico, é de suma importância atentar para as exigências da ANVISA.

 

Além disso, é necessário, antes mesmo do cadastro e registro dos equipamentos, que as empresas que desejam importar estejam sujeitas à Vigilância Sanitária. Empresas estrangeiras que desejem inserir seus produtos no mercado brasileiro devem travar um acordo comercial com uma empresa no Brasil, mesmo que esta seja apenas uma importadora, a qual se responsabilizará pela empresa estrangeira. Isso porque, a Anvisa exige certa comprovação de qualidade.

Todas as informações necessárias para a regularização de equipamentos médicos pela Anvisa, bem como os formulários, estão contidas neste manual.

 

Importar equipamentos médicos da China

Dessa forma, é evidente que o primeiro passo para importar equipamentos médicos é cumprir as exigências sanitárias exigidas pela Anvisa. Além disso, é importante, também, consultar se os produtos médicos estão sob o aval da “China Food and Drug Administration – CFDA”, que é a agência responsável pela regulamentação na China.

 

equipamentos médicos

 

A importação da China desses produtos pode ser altamente vantajosa, mas todo esse processo requer bastante cuidado para que não haja nenhuma irregularidade sanitária. Pela demora do processo de importação, pela pouca competição no setor e pelo cuidado que esta modalidade requer, o mercado, para aqueles que se dediquem à importação de equipamentos médicos, pode ser bastante lucrativo.

Para que tudo ocorra com maior segurança, entre em contato conosco da China Link Trading para mais informações sobre a importação de equipamentos médicos da China e de países asiáticos. E se você quiser saber sobre importação de medicamentos para uso individual, clique aqui.

Não deixe de compartilhar conosco sua opinião nos comentários!

 

Por Anna Carolina Monéia Farias, diretamente de Marília, SP, Brasil

Fontes: Anvisa; Artigo “Vulnerabilidade do SUS em relação à variedade cambial”; News.CN

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +