July 21 2017

Imagens de Winnie, the Pooh, são censuradas e proibidas na China

Posted by Ana Yamashita

A notícia da proibição do uso da imagem do personagem de Winnie The Pooh – o ursinho Pooh – na China causou estranhamento nessa semana, entretanto, a decisão tomada pelo governo chinês foi uma medida para evitar que bloggers e internautas chineses driblem a censura do país.

Explicando melhor, o personagem da Disney estava sendo utilizado em “memes” para ironizar o presidente do país, Xi Jinping, que, segundo as interpretações dos internautas, possui aparência e porte físico semelhantes ao urso. As comparações entre o presidente chinês e o famoso ursinho da Disney começaram ainda em 2013, com uma imagem em que Xi Jinping aparece ao lado do ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que acabou virando o Tigrão, outro personagem do filme.

 

Pooh

Jinping e Obama, à esquerda, comparados com Ursinho Pooh e Tigrão, à direita

 

Outra imagem também bastante encontrada entre os internautas chineses é a de Xi Jinping em encontro com o primeiro ministro japonês, Shinzo Abe, durante um aperto de mão. A imagem consiste na comparação dos representantes dos países com uma imagem em que Pooh aparece de mãos dadas com o burrinho Bisonho, representado na imagem por Abe.

 

Pooh

Comparação entre Xi Jinping e Shinzo Abe com Ursinho Pooh e Bisonho

 

Outra ocasião viralizada na internet foi o discurso de Jinping, durante uma cerimonia militar em sua limosine. A foto comparativa de Pooh, em seu próprio veículo, acabou fazendo sucesso nas redes sociais.

 

Pooh

À esquerda, a comparação com o Ursinho Pooh, e, à direita, Jinping em sua limosine

 

Além de censurar as brincadeiras entre Pooh e o líder do país, as autoridades chinesas não querem que nenhum personagem infantil seja associado à imagem de Xi Jinping. Ao contrário de muitos países, onde são permitidas brincadeiras com os presidentes, na China a história é diferente; a figura do líder do país é sempre tratada com muita seriedade. Curiosamente, não é a primeira vez que o ursinho Pooh se vê em maus lençóis na China.

Apesar de toda a censura imposta pelo governo, blogueiros ativistas da China procuraram, com o tempo, afinar o uso da ironia na internet; como é o caso do uso, por internautas chineses, do bordão do ex-presidente Hu Jintao, o qual afirmava a necessidade de “promover uma sociedade harmoniosa” no país. Os internautas chineses apelidaram, então, a censura de “harmonização”, que em chinês tem um som semelhante a “carangueijo”. Portanto, se a imagem do crustáceo aparecer em algum lugar da internet chinesa, poderá significar que o conteúdo anterior pode ter sido censurado.

Entretanto, não é muito fácil escapar da fiscalização chinesa. Tais autoridades conseguiram apagar do público o ativista Liu Xiaobo, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2010, e sobrevivente do Massacre da Praça da Paz Celestial, em 1989. Apesar de sua grande importância, a maioria da população chinesa nunca ouviu falar dele.

 

Pooh

O ativista Liu Xiaobo, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2010 e sobrevivente do Massacre da Praça da Paz Celestial, em 1989

 

Aplicativos como Wechat (de mensagens instantâneas) e Weibo (similar ao Facebook) também sofrem censuras. Exemplos não faltam, como o caso do Wechat, no qual mensagens que contivessem as palavras “Liu Xiaobo” não seriam recebidas pelo destinatário, ou, como o caso do Weibo, em que o acrônimo RIP (Rest In Peace – descanse em paz) foi bloqueado da rede social. Apesar do WeChat pertencer à uma companhia privada e ser considerado um gigante da tecnologia, ainda deve respeitar o regime chinês, assim como todos as outras maiores empresas chinesas.

O início do segundo mandato de Jinping será observado, com muita atenção, pelos censores, e, por menor que seja, não haverá espaço para qualquer desafio à autoridade do líder chinês.

 

Por Nathália Gasparini, Marília, SP, Brasil

Fontes: G1

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +