Julho 12 2017

Grupo Alibaba: quem segura o gigante chinês de comércio eletrônico?

Posted by Victor Fumoto

Com certeza você já ouviu falar na AliExpress, não é mesmo? No entanto, o site de compras, lançado em 2010, é apenas um dos diversos negócios do Grupo Alibaba. Saiba mais sobre o gigante chinês do comércio eletrônico!

 

Como surgiu o Grupo Alibaba?

O Grupo Alibaba é um grupo de empresas com sede na cidade de Hangzhou, na China. De propriedade privada, essas empresas, baseadas em e-commerce, incluem serviços de varejo e pagamentos online.

Tudo começou quando, em 1999, um professor de inglês chamado Jack Ma convenceu 18 de seus alunos a fundarem o Alibaba, em seu apartamento de dois quartos. A empresa se especializou em montar marketplaces, ou seja, grandes mercados online onde compradores e fornecedores se encontram. Sem estoque de produtos, o lucro vem da cobrança de porcentagens sobre as transações comerciais e os anúncios publicitários.

 

Grupo Alibaba

Jack Ma, o fundador do Grupo Alibaba

 

Seu fundador, Jack Ma, é o maior investidor individual do Grupo. Com apenas 9% das ações , transformou o site num colosso mundial, maior que as americanas HP e e-Bay. Atualmente, estima-se que 92% de todas as transações entre chineses sejam feitas pelo serviço. Com 250 milhões de compradores ativos na China, o Grupo Alibaba é responsável por 60% do volume de entregas no país. Neste ano, a marca foi eleita a 3ª chinesa com maior presença no mercado global, ficando atrás apenas da Lenovo (1º lugar) e Huawei (2º lugar).

Parte do sucesso do Alibaba tem relação com seu posicionamento durante um importante momento histórico chinês: quando, em 1978, o então presidente Deng Xiaoping deu início as reformas que tinham como objetivo criar uma “economia de mercado socialista”. A abertura do mercado para investimentos estrangeiros gerou resultados bastante positivos para a economia chinesa. Quando o Alibaba apareceu, na década de 90, o PIB da China estava crescendo de forma exponencial.

 

Hangzhou, do turismo à web

A cidade de Hangzhou, considerada pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, durante os anos 80, era uma cidade muito diferente daquela que vemos nos dias de hoje. Por muitos séculos, Hangzhou sobreviveu, de forma quase exclusiva, do turismo. Com as mudanças econômicas ocorridas a partir da década de 70, a cidade sofreu uma mudança radical.

O grande volume de produtos que fluíam das fábricas chinesas, a preços bastante baixos, para mercados em todo o mundo, fez a cidade enriquecer extraordinariamente. O PIB per capita local, em 2001, era de US$ 3 mil, e, em 2010, já se aproximava de US$ 13,3 mil.

Tal riqueza pode ser notada, principalmente, no centro da cidade. Pequenos prédios residenciais da década de 80 foram substituídos por grandes torres comerciais erguidos por quase toda a região metropolitana. Nas ruas mais abastadas de Hangzhou é possível observar um desfile de Porsches, Mercedes-Bens e Teslas.

 

Grupo Alibaba

A cidade de Hangzhou, sede do Grupo Alibaba

 

Em Hangzhou, os resultados do crescimento do Grupo Alibaba são bastante evidentes, e a sua presença é também bastante forte. Esquecer a carteira em casa, por exemplo, não é problema. É possível pagar as suas refeições, bem como o transporte público, utilizando a ferramenta de pagamento do Grupo chamada Alipay – empresa que já fatura mais do que o dobro de sua concorrente ocidental, o Paypal.

 

Alibaba no Brasil

O Brasil é o terceiro maior mercado da Aliexpress, uma das empresas que formam o Grupo Alibaba. Em 2013, quando o site Alibaba.com foi traduzido para o português e o boleto foi introduzido como forma de pagamento, as vendas cresceram fortemente.  Estima-se que ele movimente cerca de R$ 200 milhões por ano.

 

Lys Brittes, diretamente de Marília, SP, Brasil

Fontes: Época Negócios

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +