April 12 2018

Grande Prêmio da China de Fórmula 1: mais um dos espetáculos chineses

Posted by Ana Yamashita

Um dos maiores eventos esportivos do planeta terá sua terceira rodada no próximo domingo, dia 15 de abril, e será em Shanghai! O espetacular Shanghai International Circuit receberá a décima quinta edição do Grande Prêmio da China de Fórmula 1, evento que, além de demonstrar a estrondosa capacidade em infraestrutura chinesa, movimenta milhões de yuans em apenas um final de semana e ainda fomenta intensivamente o soft power do país a partir do fascínio dos bilhões de fãs do automobilismo internacional! O circuito ostenta uma incrível capacidade de 200 mil visitantes em cada um dos três dias de evento, sendo também amplamente televisionado pela FOM (Formula One Management), que promove toda a transmissão das corridas e as famosas Inside the Paddock, que buscam apresentar muito além da área esportiva, produzindo matérias que relacionem as cidades e a cultura do país que estão recebendo o evento, sendo este um dos pontos mais fortes da transmissão chinesa, em reflexo da imensa valorização da história e da cultura da China!

 

Grande Prêmio da China

Imagem by FOM, Shanghai International Circuit, 2016.

 

A estrutura impecável do Grande Prêmio da China de Fórmula 1

Sabidamente, entre os fãs do automobilismo internacional, Shanghai, a cidade que se mostra o centro financeiro chinês, suporta, além de um dos mais belos e modernos autódromos do planeta, também um dos mais seguros, basicamente por sua impecável estrutura! O autódromo, no qual acontecerá o décimo quinto Grande Prêmio da China de Fórmula 1, é mais um dos exemplos de obras primas construídas pelos chineses, sem perder o desafio para os pilotos, que concebem a pista como uma das de maior dificuldade técnica em suas longas curvas de alta velocidade. A pista tem 5.451 metros de comprimento e uma confortável largura média de 13 a 15 metros (sendo a maior largura 20 metros em pontos específicos da pista), o que permite aos pilotos muito espaço para disputas na pista. Outro fator que permite ao público ainda mais disputas e arrojo são as abundantes áreas de escape e segurança especial em pontos mais críticos, onde a velocidade média passa dos 205 km/h, deixando um amplo espaço para que os pilotos cometam erros sem necessariamente arriscarem suas vidas ou o progresso desenvolvido durante o final de semana de evento.

 

Grande Prêmio da China

Imagem by Huang Chao, 2006, Flickr, Shanghai International Circuit, 2015.

 

Outro dos pontos mais impressionantes da pista construída pelo governo chinês é a quase infindável reta oposta, com exatamente 1170 metros de comprimento (a mais longa da Fórmula 1 até o ano de 2009), que são atravessados em apenas 20 segundos, atingindo uma velocidade máxima de 337km/h! Para nós que veremos pela televisão e pela internet, esses 20 segundos podem parecer nada, mas para os pilotos, a famosa reta é até ironizada por seu comprimento: “dá para ler um livro”, brincou o piloto australiano Daniel Riccardo. O autódromo também apresenta muito de sua estrutura nas chamadas Living Zones e em todo o Paddock, que têm 26 moradias para as equipes em forma de um píer junto a um límpido lago, cada uma delas com uma área de cerca de 200 metros quadrados. Juntamente com tal área existe o prédio central do autódromo. Este edifício simétrico atravessa a pista, como um par de asas abertas. Na parte leste fica um centro de imprensa, que pode hospedar 500 jornalistas, enquanto na parte ocidental tem um restaurante, que pode atender a 700 convidados ao mesmo tempo. O espaço para os fãs também é garantido e todo coberto nas duas grandes arquibancadas do circuito, para que, independente do clima, todos possam aproveitar o Grande Prêmio da China.

 

A história que o circuito carrega para o esporte

Assim como o país anfitrião, o Grande Prêmio da China de Fórmula 1 traz consigo uma gigantesca gama de histórias, especialmente marcantes para os fãs do automobilismo internacional, uma vez que, em suas primeiras edições, o circuito era colocado como uma das últimas etapas do campeonato, o que, logicamente, trazia ainda mais emoção para a disputa envolvida!

 

Grande Prêmio da China

Imagem by FOM, Shanghai International Circuit, 2015.

 

Alguns dos exemplos das histórias marcantes que envolveram o Shanghai International Circuit durante sua história é especial para os brasileiros, que tiveram a primeira vitória na primeira edição, justamente com Rubens Barrichello, ainda pela Scuderia Ferrari, em sua melhor forma, no ano de 2004. Dois anos depois, entre os pontos contados na disputa pelo título do ano de 2006, o espanhol Fernando Alonso, pela belíssima Renault azul e amarela, batalhou até as últimas voltas contra o alemão Michael Schumacher, que venceu a sua última e nonagésima primeira corrida, aproximando-se do espanhol na batalha por pontos do campeonato, que foi decidido 2 semanas depois, no Brasil. O Grande Prêmio da China de Fórmula 1  também marcou a primeira vitória da equipe Red Bull Racing, pilotada pelo também alemão Sebastian Vettel, no ano de 2009, de baixo de uma grande chuva. Tal corrida marcaria apenas uma sequência vitoriosa de 4 títulos mundiais a partir do ano seguinte, tanto para o piloto como para a equipe. Por fim, o circuito foi palco para a primeira vitória do campeão de 2016, o alemão Nico Rosberg, apenas em 2013, sendo um dos pilotos de ponta que mais esperaram por sua primeira vitória.

 

Uma grande vitrine chinesa para o mundo

 

Grande Prêmio da China

Imagem by FOM, Shanghai International Circuit, 2016.

 

Um evento de tal proporção, que é transmitido há 15 anos para uma média de 80 milhões de pessoas de todo o mundo em apenas um final de semana, assistido em suas arquibancadas por outras 200 mil pessoas e rediscutido de forma massiva nas redes sociais, é, sobretudo, para a China, uma de suas mais grandiosas vitrines para o mundo ocidental, justamente pelo caráter internacional que todo o Grande Prêmio da China de Fórmula 1 transmite para seus milhares de fãs, que, além do esporte, recebem uma grande dose de cultura chinesa durante a transmissão do evento, funcionando como mais um dos exemplos práticos do soft power dos países para o mundo!

 

Como chegar ao Grande Prêmio da China?

Existem duas principais formas de chegar ao autódromo, estando em Shanghai, obviamente: o primeiro deles consiste em pegar a linha 11 do metrô, com destino a estação Shanghai Circuit. Desça na saída 6 e caminhe para a zona norte, por apenas cinco minutos, até a chegada do local. A segunda opção é pegar os ônibus Jiading 53, Jiading 70, Jiading 102 ou Jiading 123, que o levarão diretamente para a entrada do circuito. Depois disso, basta que você tenha alguns dos diferentes tipos de ingresso para o evento que variam, para esta edição de 2018, entre os preços de 125,47 euros para uma visão da famosa reta oposta. Os ingressos para a arquibancada principal já foram esgotados pelo preço de 69,76 euros. Existem, por fim, os ingressos para o Paddock, onde você poderá andar livremente entre os engenheiros, pilotos e jornalistas, um privilégio com a salgada variação de preço de 690,47 euros a 3983,22 euros. O Grande Prêmio da China ocorrerá durante os dias 13 a 15 de abril, na cidade de Shanghai, e ainda pode ser comprado no site oficial da Fórmula 1, clicando exatamente aqui!

Ficou interessado no Grande Prêmio da China? Não perca tempo! Vá conhecer toda esta empolgante atmosfera!

 

Por Lucas Fortes Mulati, diretamente de Marília, SP, Brasil

Fontes: Travel China Guide, F1destinations, Wikipédia, F1, F1 stats, Terra

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +