Economia chinesa pode ter crescido 7,5% no segundo trimestre

yuans

Segundo um Relatório vindo do Instituto para Pesquisa em Finanças Internacionais, divulgado na quarta feira (2), há claros sinais de que a economia da China pode ter crescido cerca de 7,5% no segundo trimestre de 2014.

Como sempre, o plano do governo é fazer com que haja cada vez mais crescimento, por isso, durante esse período foi adotado um plano para estimular o investimento em ferrovias, houve projetos de construção de residências para a população com baixa renda, redução tributária para pequena e microempresas. Para alguns bancos específicos, as taxas de depósitos compulsórios também foram diminuídas, segundo o Relatório, que é ligado ao Banco da China (um dos Bancos mais importantes, comercial estatal do país).

Todas essas medidas tiveram um feedback positivo para a economia chinesa. Os efeitos de estímulos se deram comprovando melhorias no setor de produção industrial, exportações, consumo e geração da eletricidade. Se todos os setores mantiverem seu crescimento continuo, a previsão do relatório, citado acima, é de que haja um crescimento de 7,6% no terceiro trimestre. Se a demanda externa melhorar, as políticas domésticas se estabilizem as exportações, e a moeda chinesa (RMB) desvalorize, essa presunção é viável.

Esses desafios, segundo o relatório, estão diante de políticas fiscais do governo, que deve se tornar mais ativo para estimular a economia e prover uma reestruturação econômica. Estão diante também das políticas monetárias, que não serão muito “relaxadas” inicialmente.

Que tal aproveitar o crescimento da economia chinesa para iniciar processos de importação? A China Link está pronta para lhe auxiliar nisto através de nossa eficiente equipe. Mande-nos um e-mail e saiba mais !

Acompanhe nosso Blog de Importação e tire dúvidas conosco através do e-mail de contato: contato@chinalinktrading.com.

Nota do autor: Caso a leitura do artigo traga-lhe alguma dúvida ou sugestão, deixe o seu comentário abaixo. Estamos sempre disponíveis para atendê-los!

carol

 

Este artigo foi escrito pela graduanda de Relações Internacionais, Carolina Ranzoni, Faculdades Metropolitanas Unidas, São Paulo – SP. 


Veja Também


Deixe seu comentário