Dezembro 16 2016

Dinastias Chinesas : Breve História da China

Posted by Camila Sakamoto

Quando se deapara com fatos históricos chineses, é quase impossível não perceber as divisões de períodos de tempo sob diversas dinastias chinesas. Mas você sabe quais são elas? Conheça abaixo um pouco mais sobre cada uma delas e conheça ainda mais a milenar História do gigante asiático!

 

Quais as dinastias chinesas?

Quais são as dinastias chinesas? Conheça brevemente a história delas, em ordem cronológica, entendendo as influências que levaram a China a chegar até o modelo apresentando nos dias atuais.

 

Dinastia Xia (século XXI a XVII a.C.)

Há muitas controvérsias acerca do período e até mesmo a real existência dessa dinastia. Entretanto, os registros históricos chineses consideram como a primeira dinastia da China a Dinastia Xia ( ou Hsia), tendo tido 17 imperadores. A primeira das dinastias chinesas é comumente relacionada a um grande evento, que, de acordo com dados mitológicos, seria a chamada Grande Enchente da China.

 

dinastias chinesas

Yu, o Grande

 

De acordo com a tradicional lenda de nascimento da civilização chinesa, uma enorme inundação que durou meses teria coberto a região do Rio Amarelo, mas um homem chamado Yu, conhecido também como Yu, o Grande, teria desenvolvido um sistema de drenagem que foi capaz de orientar as áreas de volta às margens do rio. Seria após esse episódio que Yu teria recebido um “chamado divino” para estabelecer então a Dinastia Xia.
Teria sido nesse período que a troca de commodities teria se desenvolvido, bem como o de um calendário baseado nos movimentos solar e lunar. A moral e a imagem de paraíso eram ideias compartilhadas pelos chineses nesse período.

 

Dinastia Shang (Século XVII a XI a.C)

A dinastia Shang, subsequente à dinastia Xia, teria sido fundada pelo líder Tang, tendo 31 líderes. Baseada em um sistema escravocrata, teria encontrado sua prosperidade principalmente graças à criação de animais. Teve várias capitais, mas a mais importante delas seria Zhengzhou, atualmente capital da província de Henan. Ainda teriam sido datadas dessa dinastia os registros da mais antiga forma de escrita.

 

Dinastia  Zhou (Século XI a 256 a.C.)

Os Zhou teriam sido uma família vinda do oeste da China, que derrubaram os Shang e assumiram o poder. Para ganhar mais apoio, tinham o costume de distribuir terras a seus aliados. A dinastia Zhou é considerada como a mais longa dentre as dinastias chinesas, durando mais de 800 anos e 37 líderes. Além disso, essa dinastia é comumente conhecida como o ápice da civilização antiga chinesa. A filosofia confucionista, por exemplo, teriam sido desenvolvidas durante esse período, influenciando a China até hoje.

 

Dinastia Qin (221 a 207 a.C)

 

guerreiros de terracota

Os Guerreiros de Terracota são da Dinastia Qin

 

A dinastia Qin teria sido a primeira que centralizou o poder, unificando uma nação multicultural e étnica sob a ideia de uma mesma identidade, além de um mesmo idioma. Mesmo com uma duração de poucos anos, a dinastia Qin teria sido a responsável por estabelecer um sistema imperial que foi mantido posteriormente. As dinastias chinesas que antecedeu os Qin tinham poucas fronteiras definidas e estavam construídas sob um modelo de integração mais fluída, fragmentada, e o poder real não tinha tanta influência além das capitais, com muito poder aos vassalos feudais. Foi durante a dinastia de Qing que foram constuídos a Grande Muralha da China e os Guerreiros de Terracota, alguns dos principais pontos turísticos da China até hoje.
Foi ainda durante a dinastia Qin aboliu a imagem de rei, além dos títulos feudais, estabelecendo a autoridade do imperador, auxiliado por oficiais e ministros designados para cargos públicos, de responsabilidades administrativas, de justiça e supervisão (cargos escolhidos por mérito, não por origem social). O sistema imperial surgido durante esse período foi seguido por todas as dinastias chinesas até o final da dinastia Qing, em 1911.

 

Dinastia Han (206 a.C a 220 d.C)

Liu Bang aproveitou a situação de instabilidade com a morte do último imperador da dinastia Qin, Huangdi, e tomou o poder, inaugurando a dinastia Han. Essa dinastia ainda é divida entre Han do Oeste(206 a.C a 24 d.C.) e Han do Leste (25 a 220 d.C.)O ato de presentear era uma característica adotada por essa dinastia, que, através de caros presentes buscava “comprar” aliados. Durante esse época também, os chineses descobriram a existência de outros povos que viviam a oeste de suas fronteiras, como o Império Romano, por exemplo. Durante a dinastia Han que foi estabelecida a chamada Rota da Seda, e a população sofreu um considerável aumento, além de avanços técnicos. Invenções como o carrinho de mão, aperfeiçoamento da produção e fundição de ferro e moinhos movidos a água para triturar cereais.  As condições precárias em que viviam os camponeses na época, entretanto, foram responsáveis por revoltas que acabaram colocando fim à dinastia Han e culminando com a divisão do Império da China em outros três reinos, levando ao período conhecido por Período dos Três Reinos. Seriam dessa dinastia o Taoísmo e a chegada do Budismo à China.

 

Período das Seis Dinastias ( 220 a 589 d.C.)

Período marcado por instabilidade e desunião, decorrente da queda da dinastia Han. Nessa época há o Período dos Três Reinos, a dinastia Jin e o Período das Dinastias do Nordeste e Sudeste. O Budismo se expandiu, bem como ocorreu o progresso da medicina e da astronomia.

 

Dinastia Sui (581 a 618 d.C.)

A dinastia Sui é considerada de curta duração, com apenas 38 anos e três imperadores. Mesmo tendo um imperador (Imperador Yang) considerado como um tirano, a Dinastia Sui teve grande importância ao reunificar o novamente o país, após tantos anos de desunião que marcaram o período anterior pós- dinastia Han. Decorrente dessa reunificação, veio uma sociedade mais estável e pacífica, influenciada ainda por um progresso econômico e político.
Sobre esse último, a dinastia Sui teria implementado um novo sistema político, com três departamentos e seis ministros. O declínio dessa dinastia teria sido uma consequência da tirania do imperador Yang, mergulhando a China em um novo período de conflitos e instabilidade, sendo apaziguado com a dinastia seguinte, a Tang.

 

Dinastia Tang ( 618 a 906 d.C.)

A dinastia Tang é reconhecida por muitos como a mais brilhante dentre as dinastias chinesas, mergulhando a China em uma onda de prosperidade nunca antes vista, tanto economicamente, quanto na política, cultura e poderio militar. Aumentou sua extensão territorial, era considerada com ausente de corrupção política e investia no exercício da diplomacia.

dinastias chinesas

Imperador Taizong, da dinastia Tang

Essa próspera dinastia teria conhecido ainda seu apogeu durante os 23 anos de reinado – conhecido como o Reinado de Ouro- do imperador Taizong, tido como o mais reverenciado entre os imperadores chineses, gerando simpatia e influência não só na China, mas também nas regiões vizinhas, como o Japão e Coreia. Taizong teria como alguns de seus princípios considerar o povo em primeiro lugar, impostos baixos, evitar gastos com luxo dos governantes, implantando medidas como reformas agrárias e concursos públicos.
Entre as invenções que surgiram durante a dinastia Tang, estariam o primeiro relógio mecânico do mundo, a bússola e a máquina de imprimir livros.
O declínio da dinastia Tang teria tido seu início com o imperador Xuangzong, que cometera diversos erros políticos como ser indiferente às relações entre diferentes Estados, além de ter nomeado erroneamente chanceleres corruptos. Aumento de impostos, escassez de metais como cobre e ouro e perseguições a budistas também auxiliaram o clima de instabilidade. Crises internas, desastres naturais, ondas de fome, ataques externos e a ebulição de áreas separatistas e revoltas camponesas foram enfraquecendo gradualmente essa dinastia. Uma longa guerra civil ainda levou ao esfacelamento da China em vários reinos menores e a dinastia Tang acabou encontrando oficialmente seu fim após a abdicação forçada de seu último imperador, Ai, que foi substituído por um de seus chanceleres, que posteriormente deu um novo nome à dinastia posterior, a Liang.

 

Período das Cinco Dinastias (907 a 960 d.C)

Com o declínio da dinastia Tang, ocorreu o chamado Período das Cinco Dinastias (Liang Posterior, Tang Posterior, Jin Posterior, Han Posterior e Zhou Posterior), que se sucederam no poder da parte principal de uma China dividida pós declínio da dinastia Tang. Nesse período ainda surgiram dez regimes rebeldes, demonstrando ainda mais a situação de fragmentação chinesa.

 

Dinastia Song (960 a 1279 d.C.)

A dinastia Song veio a reunificar novamente a China e a mergulhar em mais um período de prosperidade. Foi marcada por um desenvolvimento de tecnologias de produção agrícola, de novas relevantes invenções como equipamentos móveis de impressão, o compasso e a porcelana, além de ser um “período de ouro” também na literatura, na música e na arte chinesa.
Durante essa dinastia, ainda, havia no norte do território chinês algumas dinastias não-chinesas que chegaram a anexar regiões chinesas e que, portanto, eram vistas com rivais pela dinastia Song. Seriam elas a dinastia Liao (907 a
1125 d.C), que chegou a conquistar terras que incluíam a atual Pequim, foi vencida pela dinastia Jin (1115 a 1234 d.C), que queria avançar ainda mais no norte chinês. Já a dinastia Yuan (1279 a 1368 d.C.), também conhecida como os Mongóis, derrotaram a dinastia Jin e, posteriormente também a dinastia Song.

 

Dinastia Yuan ( 1279 a 1368 d.C.)

A dinastia Yuan representou a primeira vez em que uma  China unificada seria  governada por “estrangeiros”, por uma minoria étnica: os mongóis. Nesse período, a China chegou a atingir prosperidade econômica e  expandiu ainda mais os territórios através do famoso líder Genghis Khan.

dinastias chinesas

Gengis Khan, da dinastia Yuan

A dinastia Yuan manteve o desenvolvimento comercial, tecnlógico, ampliando a produtividade agrícola a um nível nunca antes alcançado. Os mongois ainda  chegaram a adotar alguns hábitos chineses, entretanto, se recusavam a adotar algumas características, como o idioma, e acabaram por criar uma situação considerada até de certa “inferiorização” da etnia majoritária.Também marcada por desenvolvimento da medicina, da astronomia, da matemática e da literatura. Foi durante esse período que foram criadas a dinamite e as famosas porcelanas brancas e azuis.  Ainda no ápice da dinastia Yuan, a diplomacia com povos estrangeiros ganhou destaque, como a relação com o italiano Marco Polo, um dos principais responsáveis da época por disseminar suas histórias e experiências na China ao Ocidente.

A insatisfação da população e desastres naturais foram fatores que contribuíram para o declínio da dinastia Yuan, que perdeu o poder após uma rebelião.

 

Dinastia Ming (1368 a 1644 d.C.)

Após a rebelião que resultou na perda do poder da dinastia Yuan, os mongois remanescentes foram afastados e foi fundada a dinastia Ming. Esse período marcaria o enfraquecimento do modelo do feudalismo e os primeiros passos do surgimento do capitalismo.  A agricultura teve sua produtividade superior às predecedentes dinastias Song e Yuan. A indústria da porcelana também alcançou níveis inéditos e a urbanização foi desenvolvida. Foi durante esse período que foi construído o palácio imperial, a Cidade Proibida, em Pequim, um dos principais exemplos do progresso arquitetônico dessa época.

 

pequim

Cidade Proibida, o palácio imperial da dinastia Ming

 

O declínio da dinastia Ming veio favorecido por uma crise causada pela corrupção, a exploração da classe dominante e desastres naturais durante anos sucessivos. Os rebeldes começaram a tomar o poder em algumas regiões e a dinastia chegou ao seu oficial fim com o suicídio do último imperador, Weizong.

 

Dinastia Qing (1644 a 1912 d.C.)

Assim como a Yuan, a dinastia Qing também era liderada por uma minoria étnica, os Manchus. Mesmo chegando ao poder em 1644, considera-se que somente alcançaram o controle da  China 40 anos depois. Essa dinastia veio implantando uma série de políticas para reacender a economia chinesa e diminuir as diferenças entre as classes, mas as diferenças étnicas continuavam presentes com a maior parte da população.
Após a metade do período da duração da dinastia, as desigualdades sociais aumentaram e seu declínio foi marcado por corrupção e várias rebeliões. Em 1840, com a Guerra do Ópio, a dinastia se viu com problemas tanto internos, quanto com ameaças externas. Mas foi apenas com a Revolução de 1911 que a dinastia Qing foi derrubada do poder, marcando o fim definitivo dos resquícios do sistema feudal na China.
Junto com o feudalismo, também chegava ao fim a última das dinastias chinesas.

 

dinastias chinesas

Mao Zedong, fundador da atual República Popular da China

 

O fim das dinastias chinesas

Com a queda da dinastia Qing, em 1912 foi oficialmente fundada a República da China, que durou até o ano de 1949.Foi nesse ano que a República Popular da China foi fundada, sob a liderança de Mao Zedong, e que permanece até os dias atuais.

Fontes: Epoch Times, UOL, Travel China Guide, Columbia, China na Minha Vida, Britannica.

Gostou desse artigo? Então veja muito mais em nossa página do Facebook, em nosso blog e em nosso site