May 25 2018

Cristianismo: muito comum no Brasil e crescendo na China

Posted by Ana Yamashita

A China é famosa por várias características e curiosidades, mas um lado que não ganha tanto destaque é o da religião. Em um país tão grande há espaço para tudo, inclusive as mais diversas crenças; uma delas, que cresce muito nos últimos tempos, é o Cristianismo.

 

 

Talvez o Cristianismo seja a maior religião do mundo, isso devido a diversos aspectos, não apenas ao gigantesco número de fiéis (em 2010, o mundo tinha 2,17 bilhões de cristãos, em comparação, no mesmo ano foram contabilizados 1,6 bilhões de muçulmanos), mas também pela importância histórica e cultural que a religião teve no desenvolvimento da sociedade nos dias de hoje. Boa parte da moral e dos valores cristãos foram usados como fundamentos do desenvolvimento dos povos, e grandes eventos da história, como a Revolução Francesa e a Independência dos Estados Unidos, foram baseados no Cristianismo.

Entretanto, não é difícil perceber que essa religião tem uma ligação muito mais forte com o Ocidente do que com o Oriente. Boa parte da Europa, e praticamente todo o continente americano, tem o Cristianismo como a principal crença de seus países, o Brasil, inclusive, é conhecido como o maior país cristão do mundo, contando com mais de 160 milhões de cristãos (incluindo católicos e evangélicos). Já a relação dessa religião com outros continentes é mais recente. Na África, por exemplo, o número de cristãos aumentou de 9 milhões para mais de 540 milhões ao longo do século XX.

 

A Religião na China

 

 

A China faz parte do segundo grupo, suas relações com o cristianismo são mais recentes. Sua formação religiosa é mais ligada a outros credos, principalmente o taoismo, o confucionismo e o budismo. Essas três em conjunto com outras religiões tradicionais chinesas são as que mais influenciaram a formação cultural e histórica da China. As estatísticas acerca do número de chineses religiosos não são muito precisas devido ao controle governamental, que aprova quais serão as organizações religiosas que podem atuar no país. Mesmo com essas limitações nas pesquisas, algumas das mais relevantes e confiáveis afirmam que 30% da população é adepta das crenças tradicionais, incluindo o taoismo e o confucionismo, já o budismo aparece logo em seguida contabilizando 18% dos chineses.

Entretanto, após a Revolução Maoísta, houve uma grande influência do ateísmo na China; nos dias atuais, a maior parte dos chineses, cerca de 42%, é agnóstica ou ateísta. Essa prática é decorrência do regime comandado por Mao Zedong; a partir da interpretação das ideias comunistas, diversos países passaram a se opor à religião, entre eles a China. Com isso, o ato de não professar religiões era incentivado pelo governo e deu força para o ateísmo. Entende-se que o país é o que tem o maior número de ateus no mundo em quantidade de pessoas.

 

O Cristianismo hoje na China

Os números do Cristianismo na China ainda são pequenos, atingindo cerca de 4% da população chinesa,;o destaque está no aumento de sua relevância nos últimos anos. Com a amenização das leis de controle religioso no país na década de 1970, o número de cristãos chineses aumentou. Ainda assim, as restrições são bastante rígidas, apenas chineses com mais de 18 anos podem participar de encontros cristãos, que são promovidos oficialmente por três órgãos governamentais: o Conselho Cristão da China, o Movimento Patriótico das Três Autonomias e a Associação Patriótica Católica Chinesa.

 

 

É interessante notar que acontece o contrário em muitas outras partes do mundo. De forma geral, o Cristianismo vem perdendo adeptos; na Europa, por exemplo, muitos países viram seu número de fiéis cristãos cair nos últimos tempos. Neste continente estão as maiores estatísticas com relação a ateus, agnósticos e não-crentes em Deus. Na China, o número de pessoas é maior, mas alguns países europeus apresentam um nível de proporção muito mais alto. Na Suécia, 7,6 milhões de pessoas não têm religião, o que representa 85% da população.

Já no Brasil, os números do Cristianismo são muito fortes; a religião ainda é a com maior número de adeptos no país: cerca de 123 milhões de brasileiros são cristãos católicos. Se adicionarmos o número de cristãos evangélicos, os dados aumentam ainda mais. Esta crença apresentou um crescimento muito grande nas últimas décadas, indo de cerca de 26 milhões de fiéis para 42 milhões.

Apesar de compreender uma minoria da população chinesa, se considerarmos que 4% deste total representa mais de 55 milhões de pessoas, podemos concluir que o Cristianismo na China tem sua relevância. É necessário entender os fatores históricos que barraram o crescimento da religião, mas independente da crença, fica perceptível que a liberdade religiosa no país vem aumentando nas últimas décadas.

 

Por Victor Silva Mallavazi, diretamente de Marília, SP, Brasil

Fontes: G1, Wikipedia, Gospel Prime, Mundo Estranho

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +