Como a China participou da Copa de 2018?

Você acompanhou a Copa do Mundo? Com certeza! Todos ficamos ligados no maior torneio esportivo mundial. A Copa, dentre seus diversos objetivos, visa à integração das nações através da promoção do esporte entre as mais qualificadas seleções nacionais de futebol do mundo.

(Imagem by: China Sports Insider, 2017)
Copa: torcedores e festa. (Imagem by: China Sports Insider, 2017)

Todos os continentes estão presentes: as Américas, a Europa, a África, a Ásia e a Oceania. Dentre os principais países participantes estão alguns bem conhecidos e tradicionais. Esses são alguns exemplos: Brasil, Inglaterra, Alemanha, Argentina, França, entre outros. Neste encontro de diversos países num só lugar, vários jogadores que atuam mundialmente marcam presença. E, curiosamente, a China também está participando da Copa. Quer saber como? Então fique ligado aqui e descubra!

 

A China na Copa do Mundo de 2018

A China está participando da Copa do Mundo de 2018. Você deve estar se perguntando: como? A China não se classificou entre as seleções asiáticas, então como ela está participando? A China está entre os participantes indiretamente: uma boa parte dos jogadores das seleções mundiais atua em clubes chineses.

Das cinco seleções que estão melhor posicionadas no ranking de seleções da FIFA, quatro levaram jogadores que atuam nos campeonatos do gigante asiático. As seleções são, respectivamente: Alemanha em 1º, Brasil em 2º, Bélgica em 3º, Portugal em 4º e Argentina em 5º.

(Imagem by: Free-Photos, Pixabay, 2018)
A copa é um dos eventos mais prestigiados do mundo. (Imagem by: Free-Photos, Pixabay, 2018)

 

A Bélgica conta com o jogador Axel Witsel que atua no Tianjin Quanjian e o ala esquerdo Yannick Ferreira-Carrasco que atua no Dalian Yifang, que serão os representantes “chineses” na Bélgica pela Copa. Em seguida vem a seleção da Argentina, com o volante Javier Mascherano, que desde janeiro está vinculado ao Hebei Fortune.

A atual campeã da Eurocopa, Portugal, também está representada pelo futebol chinês. O zagueiro José Fonte é companheiro do jogador belga Ferreira-Carrasco citado acima. Ambos atuam pelo Dalian Yifang. Já pelo caso do Brasil, o jogador Renato Augusto conseguiu manter seu espaço na “canarinho” atuando há três temporadas no clube Beijing Guoan.

 

A China no Mercado da Bola

Por volta de 2014 a 2017, a China se tornou um dos países que mais investiram em futebol no mundo, até sendo chamada por alguns veículos de imprensa como o grande “bicho papão” do futebol, já que os clubes pagavam muito dinheiro para levar ao país nomes conhecidos. Exemplos disso são: Paulinho, atual jogador da seleção brasileira e do Barcelona, que atuou no Guangzhou Evergrande entre 2015 e 2017, e o meia Oscar, que atua pelo Shanghai SIPG FC.

Segundo dados da FIFA, o futebol chinês gastou mais de 450 milhões de dólares só no mercado de 2016, valor que chega a aproximadamente 1,4 bilhões de reais. É muito dinheiro. Contudo, para acabar com esta “farra”, o governo chinês impôs algumas restrições em 2017.

 

Novas taxas governamentais

Por ordem da Associação de Futebol da China, as aquisições de jogadores estrangeiros passaram a ser taxadas (com impostos) em 100% por compra. Em outras palavras, o time que comprar um jogador estrangeiro agora deve pagar o dobro.

Para exemplificar, vamos usar o caso de Oscar. Quando foi contratado pelo Shanghai SIPG FC, o clube pagou o montante de 60 milhões de euros ao Chelsea FC, da Inglaterra. Se fosse contratado hoje, graças a essas novas regras de imposto, o clube chinês teria que pagar 120 milhões de euros, sendo que metade iria para o clube estrangeiro e a outra metade iria para o governo chinês.

A estratégia por trás dessa taxação é a justificativa do governo de utilizar o dinheiro para melhorias no futebol local. Esse dinheiro vai para um fundo específico governamental, que visa desenvolver principalmente as categorias de base e programas de apoio ao futebol de escolas.

 

Torcedores Chineses na Copa

Dessa vez não são estrangeiros viajando à China, mas o caminho contrário. Mesmo não classificada, a China também marca presença na Copa por conta de seus torcedores. Isso não tirou o entusiasmo do país que cada vez mais se deleita com a paixão pelo futebol. A primeira e única participação da China na Copa do Mundo foi em 2002, que aconteceu na Coreia do Sul e no Japão.

(Imagem by: QuinceMedia, Pixabay, 2018)
Copa na Rússia atrai torcedores do mundo todo. (Imagem by: QuinceMedia, Pixabay, 2018)

Mesmo assim, cerca de 100 mil torcedores chineses estiveram na Rússia para aproveitar esse ambiente que a Copa do Mundo proporciona. Conhecer pessoas, conhecer a cultura russa e aproveitar as partidas do torneio de futebol mais prestigiado do mundo são alguns dos objetivos dos torcedores.

Segundo estimativas dos veículos de imprensa da China, as cidades que mais enviaram torcedores são, por exemplo: Xangai, Pequim, Cantão (Guangzhou) e Shenzhen. Dos quase 2,5 milhões de ingressos vendidos mundialmente, cerca de 40 mil foi destinado a torcedores chineses. Isso é o que expressa a admiração dos chineses pelo futebol!

 

Por Rafael Nascimento, diretamente de Marília, SP. 

Fontes: ESPN, Globo Esporte, Uol Esporte, Valor


Veja Também


Deixe seu comentário