A China e o impasse de posicionar-se diante do conflito na Ucrânia – China Link Trading

a-china-e-o-conflito-da-ucrania

Além dos temas que norteiam a crise financeira, um dos principais temas debatidos na última reunião do G20, em Brisbane, na Austrália, foi o conflito na Ucrânia, bem como os desafios para adotar medidas que possam por fim na instabilidade na região.

Dentre as discussões acerca o assunto, o presidente norte-americano Barack Obama fez alfinetadas sutis à posição adotada pela China, diante o conflito.

Vale ressaltar que a posição da China tem se mantido pró-Rússia mesmo que não explicitamente declarada, visto que o leste da Ucrânia é uma região riquíssima em gás, o que é interessante economicamente para o país, além de ser estratégica geopoliticamente em termos de segurança regional e bandwagoning (equilíbrio de poder; equiparando-se aos EUA, por meio da aliança com a Rússia).

Além disso, a China e a Rússia possuem um acordo de fornecimento energético, o “Força da Sibéria”, um gasoduto de 4.000km² que se encontra em territórios russos que suprirá boa parte das demandas chinesas por energia, o que pode explicar também a posição adotada pela China até o momento.

A posição da China é oficialmente “neutra” diante do conflito na Ucrânia embora seus interesses econômicos e geopolíticos de certa forma sejam determinantes na hora de escolher um lado, extraoficialmente.

Diante disso, na reunião do G20, Xi Jinping afirmou o compromisso de auxiliar no que for preciso para a resolução do conflito, da melhor e mais pacifica forma, porém não se estendeu muito no assunto.

Ainda, afirma que confia na capacidade russa de encontrar a melhor resolução para o conflito na região, e classifica o conflito como sensível e complicado de se resolver.

Acompanhe nosso Blog de Importação e tire dúvidas conosco através do e-mail de contato: contato@chinalinktrading.com.

Nota do autor: Caso a leitura do artigo traga-lhe alguma dúvida ou sugestão, deixe o seu comentário abaixo. Estamos sempre disponíveis para atendê-los!

artigo
Este artigo foi escrito pela graduanda de Relações Internacionais, Nayara Chrisnam das C. Melo, Faculdades Metropolitanas Unidas, São Paulo – SP. 

Veja Também


Deixe seu comentário