O atraente mercado de smartphones chineses

Atualmente é quase impossível andar na rua sem ver as pessoas olhando para seus smartphones a todo momento, afinal, são ferramentas essenciais no dia a dia, e que trazem muitas facilidades na comunicação, entretenimento e organização de tarefas. No Brasil, algumas marcas têm presença forte como a Samsung, a Motorola e a Apple. No entanto, as importações de smartphones têm ganhado força devido aos preços atraentes somados a um desempenho invejável. Saiba mais sobre esse mercado que está em grande expansão no Brasil e no mundo!

 

Smartphones chineses: Valem a pena?

Apesar de a China impressionar o mundo constantemente com seus grandes projetos e avanços científicos, ainda é muito comum ver pessoas “torcendo o nariz” quando se fala de eletrônicos chineses. A ideia comum de que produtos chineses são de menor qualidade muitas vezes são associadas aos produtos das famosas “lojas de 1,99”, onde pode-se comprar de tudo por preços acessíveis.

Mas na verdade, aquele que se aventurar em pesquisar sobre os smartphones chineses vai ter uma surpresa agradável, afinal, a “fábrica do mundo” está com verdadeiras gigantes da tecnologia como a Xiaomi, que atualmente ocupa o posto de terceira maior distribuidora de smartphones do mundo, e a Huawei, que recentemente ultrapassou a Apple e se tornou a segunda maior fabricante do mercado.

Os smartphones da Xiaomi ganham popularidade não apenas pelo visual moderno e atraente, mas também pelo poder de processamento a preços acessíveis. O desejável “Xiaomi Mi8” oferece uma memória interna de 256GB, acompanhada de impressionantes 6gb de memória RAM, o que proporciona uma excelente experiência de uso, com menos travamentos e um bom desempenho para os fãs de jogos.

 

Smartphones
Fonte: Android Central

 

Outro lançamento foi o “Nex” da chinesa VIVO, que inovou trazendo ao mercado uma câmera retrátil, que economiza espaço e permite que o aparelho possua uma tela ainda maior, maximizando a experiência com filmes e jogos. É possível que com o lançamento do Nex, a VIVO tenha criado uma nova tendência para os smartphones futuros. Resta saber como gigantes como a Samsung e a Apple vão reagir.

 

O incômodo da gigante e as barreiras às que crescem

Apesar da força no Brasil, a coreana Samsung enfrenta dificuldades para barrar o crescimento das marcas chinesas. A Huawei, por exemplo, apresentou um crescimento de 32% nos últimos meses, atingindo um marketshare de 14%. As dificuldades da Samsung não se limitam apenas ao mercado de smartphones de alto desempenho, mas também em meio aos modelos mais populares, tendo em vista os preços chamativos das concorrentes chinesas.

A Samsung está focando em trazer melhorias e novidades para os aparelhos intermediários, de forma que possa atrair mais usuários dispostos a pagar o preço dos produtos. E apesar do rápido crescimento das concorrentes chinesas, o mercado dominante das mesmas ainda se restringe à China e à Índia. Mesmo tendo acesso amplo em um mercado de dois países que juntos somam mais de 2,5 bilhões de pessoas, as empresas ainda encontram resistência para atingir o mercado do ocidente.

A Huawei sofre fortes pressões dentro do mercado dos Estados Unidos, tendo dificuldades para vender seus aparelhos por lá, uma vez que precisa lidar com a concorrência da muito bem estabelecida Apple, além de diversas outras marcas como Sony, Motorola e a própria Samsung. Quanto ao Brasil, a Positivo fez um acordo para tornar possível a distribuição dos aparelhos no país, mas até o momento, são poucas as lojas nas quais os smartphones estão disponíveis. Entretanto, a era digital e o comércio eletrônico ajudam a superar barreiras como esta. Confira um vídeo do nosso canal do Youtube sobre se vale a pena comprar um Iphone da China!

 

O comércio eletrônico dos smartphones chineses

Uma vez que é difícil encontrar smartphones chineses à venda em lojas físicas no Brasil, muitos dos aficionados por tecnologia apelam para o comércio eletrônico, e para a compra de smartphones, as opções são diversas. É possível encontrar os mais variados modelos em sites de compras famosos como o AliExpress, o Wish e a Gearbest. O que pode ser um brilho aos olhos daqueles que desejam um celular com bom desempenho, mas não podem pagar pelos preços das marcas já estabelecidas no Brasil.

 

Fonte: Transfer Printing

 

O MI8 da Xiaomi, mencionado acima, pode ser encontrado online por preços entre 1.5 mil a 2 mil reais. Aparentemente o preço é salgado, mas se comparado às opções presentes nas lojas físicas do Brasil, muitos celulares intermediários estão na mesma faixa de preço, e com recursos que em muitos casos deixam a desejar. Na realidade, é pouco provável encontrar nas lojas físicas smartphones com os recursos oferecidos pela Xiaomi, Huawei, VIVO, e outras marcas.

Entretanto, comprar os smartphones chineses estando no Brasil pode ser uma experiência trabalhosa, uma vez que algumas marcas como a própria Xiaomi não estão disponíveis plenamente no mercado brasileiro. Dentre as maiores inconveniências apontadas pelos compradores, estão: o risco de taxação do produto importado, a dificuldade em ter assistência técnica no caso de algum defeito no aparelho, além das regulações da Anatel.

Recentemente, a Anatel resolveu pegar pesado com aqueles que importam smartphones da China, e recentemente passou a cobrar uma taxa de duzentos reais para que os celulares comprados da China sejam corretamente homologados aqui no Brasil. O argumento da Anatel está na própria Lei Geral de Telecomunicações de 1997. Segundo o artigo 156 da mesma, é vedada a utilização de produtos com transmissões de radiofrequência que não tenham sido homologados pela Anatel. De acordo com a legislação, o processo é necessário para que se certifique de que o produto atenda os parâmetros técnicos brasileiros, e que não haja riscos de interferência a outros tipos de comunicação.

 

Fonte: Phonoearena

 

Apesar das dificuldades, quem realmente está disposto a passar pelos trâmites burocráticos que envolvem comprar online um smartphone chinês, terá uma experiência prazerosa, não apenas explorando um novo e diversificado mercado tal como as empresas chinesas oferecem, mas também poderá ter em mãos um aparelho poderoso, que comparado às marcas que estamos acostumados a ver diariamente, deixa muito pouco a desejar.

Fontes: Gizmodo, Olhar Digital, Techtudo, Circuit Breaker

Por Arthur Bonsaglia, diretamente de Marília – SP.

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter |  Google +


Veja Também


Deixe seu comentário