O Alfabeto Chinês

Já se perguntou o porquê o mandarim (chinês) é considerado umas das línguas mais difíceis de se aprender do mundo? Pois é, isso acontece por causa da complexidade na formação das palavras. A variedade linguística do chinês é amplo e muitas palavras não são mutuamente transcritas para o português ou para o inglês, por exemplo.

Assim como no Brasil existem dialetos espalhados pelo país, a China também, contudo, todos são variantes do mandarim, o qual traz muitas diferenças do Português. Isso acontece porque é uma língua tonal, isolante e variante na escrita, enquanto, na fala, existe a ampla utilização de palavras polissilábicas. Quer saber mais? Leia abaixo.

 

Alfabeto chinês
Fonte: Unsplash

 

Curiosidades do sistema de escrita e fala

A escrita chinesa é baseada na logografia, isso significa que a escrita é feita na tentativa de se reproduzir o som que representa o objeto/nome. Sendo assim, as sílabas e palavras são fragmentos capazes de expressar um significado. A complexidade é tamanha e isso se dá, principalmente, pela ausência de um alfabeto em si.

Para ficar mais fácil de entender, veja a comparação da palavra “Brilho” em mandarim e em português.

Em mandarim, para representar o conceito de algo brilhante ou da palavra em si, há a combinação da palavra que representa “Sol” e “Lua” e, a partir de ambas, se forma uma terceira palavra, que representa “Brilho”, contudo, essa palavra é uma representação fonética de algo abstrato.

Na língua portuguesa, é sabido que as palavras são de origem latina e também existe um significado por trás, contudo, hoje em dia, se as sílabas “Bri-lho” forem separadas, o conceito não se volta para nenhuma representação de algo que já existe, pois no português, o alfabeto formam silabas e essas silabas formam as palavras (atenção: existem palavras no dicionário português que se formaram a partir de outras, a questão deste artigo é mostrar curiosidades sobre o alfabeto chinês).

 

Alfabeto chinês
Mapa Mundi em inglês e mandarim. Fonte: Unsplash

 

Outra curiosidade sobre algumas palavras é o sistema de repetição, também bem diferente da língua portuguesa. Veja a representação do conceito da palavra “Floresta”. É o caso de 木(árvore), 林(bosque) e 森(floresta), criados através da sua duplicação e triplicação, respectivamente. Repare que o “desenho” que representa árvore é exatamente o mesmo em Floresta, porém, triplicado.

Nem todas as palavras são formadas com a simplicidade da palavra “Floresta”. Veja o caso da palavra “Computador”, é uma criação bem diferente. A variação para esse objeto é representada por mais de um logograma. Ao juntar a palavra eletricidade e cérebro, tem-se 电脑, que representa “computador”.

É bem comum que os logogramas sejam chamados de ideogramas. Eles representam ideias e cada grafema (unidade no sistema de escrita, no português, um grafema é uma letra do alfabeto) isolado é lido como uma sílaba diferente. Complexo e diferente, não é mesmo?

 

Aprender chinês como autodidata, já pensou?

A cada ano, mais pessoas estão procurando o mandarim como segunda ou terceiro idioma. Muitos procuram após dominarem a língua inglesa. Ao frequentar uma escolar de mandarim, o professor iniciará um método de aprendizagem com o aluno, assim como todas as escolas de idioma fazem, baseando-se na escrita, leitura, audição e compreensão de texto.

 

Alfabeto chinês
Parede com cartazes escritos em chinês. Fonte: Unsplash

 

Mas, para aqueles que querem arriscar a aprender a língua por conta própria, aqui seguem alguns fatos sobre o aprendizado:

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente de que aprender um novo idioma não acontece de um dia para o outro, muito menos, com o mandarim, tendo em vista a complexidade do alfabeto e da escrita mostrada acima. Tempo e perseverança precisam andar juntos nesta jornada.

Em segundo lugar, é preciso aceitar que frustrações iniciais acontecerão. Como em qualquer aprendizado de qualquer outra língua, palavras serão esquecidas, pronuncias erradas e confusão na hora de se referir ao presente, passado e futuro. Mas isso não pode ser desmotivador. Encare como um desafio e o regue com motivação e perseverança.

Em terceiro lugar, é importante saber que é muito difícil se tornar fluente em mandarim, mas isso não significa que não será possível se comunicar.

Quer uma boa noticia? Diferentemente do português, a conjugação dos verbos e a gramática chinesa são mais simples. Isso acontece, pois, não há gênero feminino ou masculino para as palavras, também não há plural ou singular.

Exemplo da construção de uma frase simples: sujeito + verbo + Complemento do Objeto Direto.

 

3 passos fundamentais para quem quer aprender chinês em casa

1. Defina seus objetivos

É preciso que a principal motivação em aprender chinês esteja clara para o aluno. Isso é importante, pois, dependendo da intensidade da motivação, o aprendizado acontecerá mais rápido ou mais devagar. Além de, claro, a gama de palavras aprendidas será diferente para um aluno que deseja passar as férias na China ou ir a trabalho. Veja aqui como começar a estudar mandarim.

O principal motivo pelo qual o aluno está aprendendo o Mandarim é o que fará com que ele supere os obstáculos dessa jornada.

2. Ouvir a língua chinesa o máximo possível

Não é segredo para ninguém que a audição é muito importante quando se quer aprender um novo idioma.

Quando se acostuma o cérebro a ouvir as palavras, os sons, as tonalidades e a pronuncia, fará com que a assimilação das palavras novas venham com mais naturalidade.

Entendendo ou não, mergulhe no mundo da música, dos filmes, audiobooks, notícias, etc.

Apenas ouvir pessoas falando chinês não fará com que o aluno aprenda chinês em um mês, mas é um adianto quando o aluno é esforçado. Além de ouvir músicas, busque pela tradução, veja filmes com legenda e exercite o conhecimento.

 

Alfabeto chinês
Biblioteca. Fonte Unsplash 

 

3. Concentre-se e aprenda a fonética de cada palavra

Importante: para falar chinês, é preciso aprender e compreender os caracteres chineses. Quando não se sabe chinês, a escrita é um “desenho”.

Com a vasta escrita, acredite, até os mais cultos ainda não conhecem tudo sobre a língua chinesa, até ter estudado por dez ou quinze anos. E mesmo assim, não serão equiparados aos nativos.

Assista videos de explicações e escreva a fonética das palavras. Faca uma tabela e seja persistente!

 

E você, leitor? Estuda ou já pensou em estudar chinês? Conte sua experiência para nós!

 

Fontes: Awebic (Terra), Alfabeto, Superprof.

Por Carolina Ranzoni, diretamente da Nova Zelândia

Gostou desse artigo? Então confira mais conteúdos e acompanhe as novidades em nossas redes sociais:

Facebook  |  Canal do Youtube  |  LinkedIn   |  Instagram   | Twitter


Veja Também


Deixe seu comentário